Diplomatas

Os diplomatas (portugueses e estrangeiros) que conheci  (em mais de 10 anos de convívio quase diário) e conheço são, em geral, pessoas de grande cultura e dedicação aos seus países. Observam e estudam a realidade dos países onde trabalham e procuram transmiti-la aos seus governos. Muitas das informações e opiniões que  expõem nos agora famosos “telegramas”, tiram-nas dos contactos formais e informais que estabelecem com personalidades públicas e privadas e com jornalistas. São também, em grande parte, fruto da leitura e acompanhamento dos média dos países onde se encontram. Os diplomatas “de carreira” não fazem política. Há, claro, os “embaixadores políticos” mas esses quando ficam muito tempo “em posto” adaptam-se ao “perfil” da “carreira”.

Este “ponto de ordem” serve-me de entrada para o seguinte:

Vi, há pouco, na SIC, a Procuradora Cândida Almeida dizer que o DCIAP vai  analisar as  revelações do WikiLeaks sobre o uso da base das Lajes no repatriamento de presos de Guantanamo. Também vi deputados portugueses dizerem que querem ouvir responsáveis do Banco de Portugal sobre as revelações relativas à alegada actividade comercial do BCP no Irão.

Há então que colocar as seguintes questões:

No caso do DCIAP, como serão conduzidas as investigações? Quem será chamado a depôr e em que “qualidade”? O Assange, não será certamente porque é apenas o “correio” das revelações. A sua fonte (o “militar americano no Iraque”), também não porque ou está preso ou em parte desconhecida (para nós). Os jornalistas que publicam os telegramas, também não porque nenhuma lei  os impede de o fazer.  Os diplomatas americanos que escreveram os telegramas, também não porque estavam a desempenhar as suas funções e não  violaram nenhuma lei do seu País ou do nosso. Acresce, quanto aos diplomatas,  que  não se sabe com rigor quem lhes transmitiu  as informações que verteram para os telegramas. 

Restam então aqueles que são citados nesses telegramas pelos informadores dos diplomatas americanos, isto é, os governantes e (agora) os banqueiros do BCP. Mas dado que  estes negam ou atribuem significado diferente ao conteúdo dos “telegramas“, como se resolverá a contradição?  

Desta “orgia informativa” algumas conclusões simples podem desde já ser extraídas: em Portugal, o WikiLeaks consegue ao mesmo tempo empolgar jornalistas e políticos da Oposição; incomodar governantes e banqueiros; pôr o Ministério Público a investigar “telegramas” de diplomatas americanos. Consegue também, como aconteceu hoje, pôr os telejornais a lerem e a exibirem em imagem as opiniões dos diplomatas americanos sobre os políticos portugueses.

 É obra!

About these ads
Esta entrada foi publicada em Sociedade. ligação permanente.

2 respostas a Diplomatas

  1. Pingback: WikiLeaks: um lado que falta | VAI E VEM

  2. Pingback: Anónimo

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s