Uma visão passadista sobre o jornalismo e as notícias

José Manuel Fernandes (JMF), um dos membros do Grupo de Trabalho (GT) nomeado pelo governo para estudar o conceito de serviço público, escreveu esta sexta-feira, na sua coluna semanal do Público, um artigo intitulado “O império do politicamente correcto e dos interesses instalados”, reproduzido aqui, em que comenta as reacções ao documento produzido pelo GT. A dado passo, escreve:

“(…) Apesar do excesso de algumas reacções – desde a investida contra a liberdade de expressão protagonizada pelo Sindicato dos Jornalistas, (…) até à diatribe de uma ex-membro da ERC, que afirmou publicamente que a investigação académica provou que os governos já não são capazes de manipular a informação –, no geral têm um traço comum: “serviço público” é aquilo que a RTP faz, fez ou fará, ponto final.(…).

Dado que sou a única “ex-membro da ERC” e  me pronunciei na Antena 1 (embora não exactamente nos termos citados por JMF) sobre o documento, considero dever clarificar os fundamentos que me levam a contestar a visão contida no documento de que a informação da RTP, por esta ser uma empresa pública, é forçosamente uma informação manipulada pelos governos.

Eis, em síntese, os fundamentos principais da minha posição:

As pesquisas comparadas realizados nos EUA e na Europa (incluindo Portugal) sobre  conteúdos informativos de televisões privadas e televisões públicas são inconclusivas quanto a diferenças que possam ser atribuídas a diferentes modelos de propriedade, mostrando que é difícil ligar modelos de propriedade  a modelos de selecção e produção de notícias.  

As abordagens explicativas da produção das notícias são principalmente as seguintes:

1. O  “modelo de propaganda”, baseado na premissa de que as notícias servem o poder estabelecidoimplícito no documento do GT sobre o serviço público -   está há muito ultrapassado.  Os trabalhos de Michael Schudson (EUA) mostram que a capacidade  dos governos e dos proprietários dos média  para manipular a informação é limitada. Daí que outros níveis de abordagem sobre a produção de notícias tenham emergido no final dos anos 60.

2. A “perspectiva organizacional” enfatiza a influência dos constrangimentos organizacionais, económicos e técnicos, na produção de notícias. A grande maioria dos estudos desta corrente assume, por um lado, que a criação de notícias, a nível nacional ou local, assenta, fundamentalmente, na ligação entre o repórter e as fontes oficiais e governamentais. Por outro, evidencia  a influência  das “convicções profissionais”, dos “códigos pessoais” e da cultura profissional dos próprios jornalistas, que os leva a escolher os ângulos de abordagem, as fontes a entrevistar, etc.,  aspectos não contemplados na abordagem do controle governamental das notícias. 

3. A  perspectiva “cultural” ( Hoggart) defende que o filtro mais importante através do qual as notícias são construídas é o “ar cultural”  e a “atmosfera ideológica” da sociedade que influenciam o que  “pode ser dito e o que é melhor não ser dito”. Trata-se de convicções (não noticiadas) que operam a um nível mais remoto que a ideologia, através das quais as notícias são seleccionadas e enquadradas. 

4. Um novo paradigma (atribuído sobretudo a McNair)  defende que nas sociedades contemporâneas marcadas por fenómenos de globalização e de grande desenvolvimento tecnológico, a produção de notícias complexizou-se extraordináriamente, pelo que qualquer das três abordagens anteriores é insuficiente, por si só, para responder a tudo o que há para saber sobre as notícias.  As notícias são, hoje, mais informais, mais críticas, mais cépticas e mais distanciadas do que anteriormente. O estilo formal face aos políticos tornou-se crítico e agressivo.

Em suma:

As abordagens do jornalismo baseadas no paradigma do “controle” dos media pelos governos ou por grupos dominantes perderam valor. Trata-se de uma visão passadista sobre o jornalismo e as notícias. A  informação é, hoje, dominada pela imprevisibilidade, não sendo controlada por governos ou  elites, políticas ou outras.

“Diatribe”  não foi, pois, o que eu disse na Antena 1 mas sim o que JMF e os seus pares escreveram sobre a informação do serviço público.

 

About these ads
Esta entrada foi publicada em Jornalismo, Política, Sociedade, Sociologia dos Média, Televisão, Uncategorized com as etiquetas , . ligação permanente.

4 respostas a Uma visão passadista sobre o jornalismo e as notícias

  1. ana maria diz:

    Agradeço em nome dos espectadores e do povo português os comentários e o excelente artigo da Srª D. Estrela Serrano, já expressei por diversas vezes o repúdio pelas conclusões do dito relatório e das razões que levaram a que fosse “encomendado”, penso que a maioria das pessoas vai perceber que anda a ser manietada por interesses obscuros, alguém no seu perfeito juízo não compreenderá que até o tentarem retirar a publicidade, só serviria os operadores privados, dado que seria impossível à RTP continuar a operar com o corte brutal de verbas que isso acarretaria? E o tal grupo de trabalho foi formado por pessoas sem interesses nos grupos económicos que estão ligados às televisões privadas? Tal como costumo citar ” Sob a nudez crua da verdade, o manto diáfano da fantasia” . Meu pobre Portugal em que mãos andas entregue?

  2. Brasilino Pires diz:

    Excelente (o poste…), cá para mim.

  3. J.-M. Nobre-Correia diz:

    A pergunta de princípio que deveria ter sido feita imediatamente quando foi constituído esse tal Grupo de Trabalho era a de saber qual era a competência em matéria de jornalismo audiovisual, de história dos média na Europa, de socio-economia dos média na Europa ou de direito dos média na Europa (porque Portugal faz geográfica e culturalmente parte da Europa e não da América como parece que pensam os membros do dito grupo…) de pessoas como João Duque, Manuel Villaverde Cabral ou José Manuel Fernandes, entre outros ? E a resposta só poderia ter sido : uma competência mais ou menos igual a zero !
    A segunda pergunta teria sido de saber como é que tanta gente incompetente teve o desplante, “a lata”, de deixar que o seu nome fosse indicado para integrar tal Grupo de Trabalho e, pior do que isso e cúmulo absoluto do desplante, ser designado como coordenador de tal grupo ? Vaidade !, triste vaidade !
    J.-M. Nobre-Correia, mediólogo, professor emérito em Informação e Comunicação da Université Libre de Bruxelles.

  4. Comentador Acidental diz:

    JMF enquanto director de um jornal publicou primeiras páginas com mentiras, que sabia que o eram, com fins partidários.
    JMF enquanto director de um jornal espezinhou todos os preceitos deontológicos da profissão.
    JMF não merece qualquer crédito no que quer que seja que tenha a ver com informação, ética, verticalidade, dignidade.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s