O Estado de Direito que já era

As notícias sobre as actividades de Paulo Cristovão, dirigente do Sporting, ex-inspector da Polícia Judiciária, empresário e comentador de televisão, são aterradoras.

São apenas notícias, é certo,  a maior parte provindas de fontes não identificadas nas peças, que envolvem, inclusivamente  a “banca”, e o ex-inspector é apenas arguido tendo direito à presunção da inocência.

Mas este caso, independentemente do seu desfecho, suscita desde logo uma reflexão sobre a Justiça e os seus agentes e vem uma vez mais evidenciar que a Justiça é um sector cuja imagem em Portugal desceu a níveis inimagináveis de descrédito e ineficácia. A pessoa de quem se fala foi investigador criminal e isso não pode ser ignorado na análise dos acontecimentos  que agora vieram a lume.

Mas este caso mostra também que a crise da Justiça é inseparável das relações promíscuas de muitos agentes da Justiça, nomeadamente da Polícia Judiciária e do Ministério Público,  com jornalistas. 

As  notícias publicadas sobre os negócios e actividades das empresas do ex-inspector Paulo Cristóvão,  certamente “sopradas” por quem conhece o processo e fez as buscas, isto é, por elementos da própria PJ, uma vez que não é suposto que os jornalistas  assaltem as instalações onde se guardam os processos, e independentemente de o que é noticiado poder não corresponder  ao que consta da investigação (há sempre que contar com a reinterpretação do jornalista do que lhe é dado a conhecer ) revelam que é possível alguém com um perfil como o que é traçado de Paulo Cristóvão permanecer  durante anos em funções de enorme responsabilidade e de consequências irremediáveis para a vida e a reputação de cidadãos.

De facto, um inspector da Polícia Judiciária investiga a vida de pessoas suspeitas de “casos” nos quais podem ser culpadas ou inocentes, realiza escutas telefónicas, isto é, possui um “património” de conhecimento que o torna detentor de um poder superior ao da maior parte dos detentores  legítimos dos diversos poderes em que a sociedade se organiza.

Sem prejuízo da independência dos magistrados e dos juízes, da qual os cidadãos têm razões de sobra para duvidar, pelo menos em muitos dos casos mais mediáticos, é impossível negar que não sejam influenciados pela investigação realizada pela polícia judiciária e por muito do que os media publicam sobre essas investigações.  

O que se oferece aos cidadãos que lêem jornais, ouvem e vêem televisão ou frequentam as redes sociais é um “caldo de cultura” altamente contaminado, que os leva a reagirem negativamente quando um juiz decide absolver pessoas que durante anos se habituaram a encarar como culpadas.

Tivemos, há dias, a absolvição dos arguidos no caso Portucale. Para o cidadão comum, o juiz errou e o que vale são as notícias que durante meses e anos  sugeriam que os arguidos eram culpados. E essas “sugestões” de culpabilidade de pessoas que um juiz absolve, provêm daqueles que na fase de investigação dos processos vão “pingando” para os media o que lhes interessa divulgar, influenciando assim a opinião dos cidadãos… E assim chegámos ao ponto de ninguém ou quase ninguém acreditar nos agentes da justiça, inspectores da PJ, magistrados do Ministério Público, Juízes.

O caso Paulo Cristóvão, qualquer que seja o seu desfecho, a crer no que já saíu na imprensa, é mais uma forte machadada na Justiça em geral e na Polícia Judiciária em particular. E, como acontece noutros sectores da sociedade, “paga o justo pelo pecador”.

Casos como o ex-director das secretas, Silva Carvalho, que foi para uma empresa de media e mandou espiar um jornalista, a que se junta agora o do ex-inspector da PJ, Paulo Cristóvão, que saíu da Judiciária e montou uma empresa de segurança que alegadamente espiava jogadores e árbitros, levantam questões sérias que põem em causa o Estado de Direito em que julgávamos viver, e suscitam interrogações, como:

- Quem são, afinal, as pessoas que, agindo contra a lei e a ética, estão ou estiveram  a dirigir serviços e a desempenhar funções que interferem com a vida, a honra e a reputação de cidadãos?

- Será que o que fizeram no passado enquanto detiveram esses poderes foi contaminado por atitudes semelhantes às que vieram depois a ser tornadas públicas?

- Que cumplicidades tiveram, quem omitiu, escondeu, manipulou factos e acontecimentos? Que métodos, processos e instrumentos foram por eles (e por outros) usados que não o devessem ser?

- Mas, se alguém caluniou, inventou, manipulou e os arguidos e acusados são, afinal, inocentes, quem responsabiliza e como os caluniadores?

Como podemos estar descansados? Que poderes se escondem por detrás dos poderes legítimos? Quem manda efectivamente em Portugal?  

About these ads
Esta entrada foi publicada em Futebol, Jornalismo, Justiça, Sociedade, Sociologia dos Média. ligação permanente.

2 respostas a O Estado de Direito que já era

  1. Pingback: Uma entrevista reveladora que passou despercebida | VAI E VEM

  2. Pingback: O Estado de Direito que já era « Máquina Semiótica

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s