O PS não estava preparado para os “coelhos” que Coelho e Gaspar tiraram da cartola

Tirando um coelho da cartolaÉ normal que os partidos políticos desejem ganhar eleições e chegar ao poder para poderem então aplicar o seu programa e governarem o país de acordo com o que pensam ser melhor para os cidadãos;

É normal que dentro de cada partido a liderança seja discutida e disputada de forma aberta e de acordo com as regras estatutárias de cada partido.

É normal que os partidos possuam estratégias e se organizem, “contando espingardas” entre militantes e dirigentes locais para conquistarem a liderança;

É normal que dentro de cada partido se formem grupos para  influenciarem o voto dos militantes num ou noutro candidato à liderança;

É normal que apoiantes de uns e outros se manifestem publicamente em favor do seu candidato, seja ele o líder em funções ou um putativo candidato à liderança;

Ora, se tudo isto é normal, porque é que de repente o PS se tornou esta semana o bombo da festa de jornalistas, comentadores e governantes?

Por várias razões, entre as quais:

- porque o seu líder, António José Seguro, entrou em contradição respondendo aos jornalistas que o interrogavam sobre a data de marcação do congresso, repetindo 5 vezes (segundo a SIC) a pergunta: “Qual é a pressa”? e, a seguir, marcou uma reunião da Comissão Política com caracter de urgência.

- porque o proto-candidato, António Costa, mantém em suspenso uma “espada” sobre a cabeça do líder, sem dizer se vai ou não disputar-lhe a liderança;

- porque tudo isto acontece após o Governo ter visto uma “vela” ao fundo do túnel que, mesmo fraca, foi suficiente para desestabilizar o PS obrigando-o a repensar a estratégia;

- porque o líder não foi capaz de reagir com fair-play e naturalidade ao questionamento da sua liderança;

- porque o PS não estava preparado para os “coelhos” que Coelho e Gaspar tinham na cartola;

- porque só um PS muito distraído deixaria sem resposta  provocações como a de Aguiar Branco de que “é necessário clarificar a “autoridade do secretário-geral” para poder debater a reforma do Estado.”

About these ads
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Sociedade com as etiquetas . ligação permanente.

2 respostas a O PS não estava preparado para os “coelhos” que Coelho e Gaspar tiraram da cartola

  1. EGR diz:

    Pois não estava preparado, pois não. É o resultado de se ter na liderança da oposição uma figura simétrica do PM.
    E não vale a pena tentart descortinar tentar imaginar alianças objectivas com o poder naqueles que,embora lamentando, se limitam a constatar a evidencia.

  2. O PS ou está distraído, ou de facto, há elementos dentro do partido que concorrem para o enfraquecimento de António José Seguro. E, assim sendo, não se importam em encontrar aliados improváveis, mesmo em membros do governo. Aposto mais nesta hipótese.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s