Para a história de uma pergunta

“O que é a Ongoing?” Era esta a pergunta que, há já alguns meses, Mário Crespo começou a fazer insistentemente na SIC-Notícias. Na altura decorria o processo relativo à operação de concentração que a Ongoing e a Vertix pretendiam concretizar, no sentido de a primeira adquirir à segunda acções representativas de até 35% do capital social da sociedade Grupo Media Capital SGPS, S.A., operação à qual a ERC  se opôs enquanto a Ongoing não efectivasse a venda, a favor de entidade relativamente à qual não estivesse, de forma directa ou indirecta, em relação de domínio, da totalidade da participação que detém no capital social da Impresa.

Isto foi no princípio do ano. A comunicação social andava cheia de “casos de atentados à liberdade de imprensa”. Na SIC-Notícias, Mário Crespo recebia os seus convidados do “frente-a-frente” a quem,  invariavelmente, colocava a pergunta “O que é a Ongoing?”

A insistência irritou alguns responsáveis do Grupo que falavam de “obsessão doentia”  mas a pergunta espalhou-se pela imprensa e algumas das respostas que lhe eram dadas não estancaram a curiosidade dos média (nem a de Mário Crespo que continuou a insistir com novas perguntas).

Entretanto, corria o mês de Fevereiro  e as atenções viravam-se para as audições na Comissão Parlamentar de Ética que discutia a  liberdade de imprensa. O director do Diário Económico, jornal detido a 100% pela Ongoing,  apontado na altura  como próximo do Governo, é chamado a depôr sobre eventuais interferências do presidente da Ongoing e do poder político, na linha editorial do jornal. Assiste-se então ao renascer da pergunta “o que é a Ongoing?”, desta vez pela voz do deputado do PSD, Agostinho Branquinho.

A Ongoing voltaria pouco depois  às “bocas do mundo” na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar relativa à Relação do Estado com a Comunicação Social e, nomeadamente, à Actuação do Governo na Compra da TVI (CPI), em cujo Relatório final, pág. 198, datado de Junho, se pode ler  que a Comissão  solicitou à PT “Actas e relatórios da auditoria interna da Portugal Telecom, relativas a aplicação dos fundos de pensões, designadamente cópia de todos os documentos relativos a decisão de investimento da Portugal Telecom em fundos de investimento Ongoing. O assunto não tem, contudo, desenvolvimentos no citado Relatório.

Passaram, entretanto, cerca de nove meses (o número é simbólico) e a pergunta “o que é a Ongoing” parecia ter passado à História. Nem mesmo o lançamento do “Portal da ERC sobre a propriedade dos meios de comunicação social” pareceu motivar os interessados a procurar ali a resposta.

Mas eis que a notícia de que o deputado do PSD Agostinho Branquinho vai deixar o Parlamento para assumir um cargo dirigente na Ongoing veio ressuscitar  a  pergunta “o que é a Ongoing?”. E como se não bastasse, na sua última edição o Expresso vem “baralhar os dados”, acrescentando novos nomes ligados à Ongoing, todos dados como pertencendo à  área política daquele deputado. O caso foi  comentado  pelo professor Marcelo, ontem, na TVI, de modo a suscitar novas perguntas.  

E assim temos que o  Grupo que ainda há poucos meses era dado como favorecendo o Governo é agora apontado  como tendo-se “passado” para a oposição. Teme-se agora que a história da pergunta volte à estaca zero e se volte a ouvir alguém, nos “frente-a-frente” da SIC-Notícias ou em palcos congéneres, a perguntar “o que é  a Ongoing?”

Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Sociologia dos Média. ligação permanente.

2 respostas a Para a história de uma pergunta

  1. Pingback: Jornalismo credível requer empresas sãs | VAI E VEM

  2. Pingback: Uma notícia importante | VAI E VEM

Os comentários estão fechados.