Jornalismo “pé-de-microfone”

«Não tenho responsabilidade sobre a capacidade dos partidos em gerar eventos que interessem às pessoas e sejam relevantes. Há líderes partidários que optaram, por estratégia política, por não falar. O que faço perante o silêncio de líderes partidários

(excerto de declarações de José Alberto Carvalho perante a Comissão Parlamentar de Ética, justificando os dados identificados pela ERC relativos à presença do PSD na RTP1, RTP2 e RTPN, constantes do relatório da ERC sobre o pluralismo político-partidário no serviço público de televisão, em 2009, (situação também identificada em 2007 e 2008).

  Vejamos o que essa declaração significa:

 – Se um partido não “gera eventos” não há notícias sobre esse partido. Chama-se a isto “jornalismo pé-de-microfone”;

 – Se um partido “não fala”  e pratica o  “silêncio” como “estratégia”, não há notícias.  Chama-se a isto ter uma concepção reactiva (dependente) da informação, que se traduz na legitimação do conceito  “jornalismo pé-de-microfone” como “critério jornalístico”;

– Os eventos gerados pelos partidos têm de “interessar às pessoas”. Não se conhecendo o critério em que se baseia a identificação do “interesse das pessoas” é legítimo presumir que seja o das audiências, critério discutível tratando-se do operador de serviço público;

 – Os “eventos gerados” (pelos partidos) têm de ser “relevantes”, o que significa que (para a RTP) o PSD,  não “gerou”, ou “gerou” poucos, “eventos” “relevantes” nos anos de 2007, 2008 e 2009, nos quais se verifica a situação apontada no relatório;

 Vejamos então alguns acontecimentos –  “eventos” – político-partidários ocorridos apenas em 2009 (para não me alongar muito) que envolveram os partidos políticos e que desmentem a ausência de “eventos” alegada pela RTP:

 Congresso do PSD nos Açores e congressos gerais do PS e do CDS/PP. Note-se que  em 2008, (ano em que os valores da presença do PSD na informação da RTP foram  idênticos aos  de 2009) ocorreu a eleição do actual presidente do PSD, o congresso nacional do Partido e a eleição do líder parlamentar;

 – Reacções críticas dos partidos políticos às políticas governamentais – para a educação, fiscais, financeiras, económicas e para a saúde;

 – Declarações proferidas durante os períodos anteriores à pré-campanha para os três actos eleitorais realizados em 2009 (excluiram-se da análise os períodos das campanhas eleitorais, objecto de análise autónoma visto regerem-se por legislação específica);-

Comentários dos partidos a notícias sobre os casos Freeport, BPN, Face Oculta;

– Reacções ao veto presidencial à Lei Eleitoral e ao discurso do Dia de Portugal.

Em suma: 

Afinal onde é que está o “absurdo” referido aqui? Não será nos “critérios jornalísticos” adoptados?

Esta entrada foi publicada em ERC, Jornalismo, Televisão. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.