Savimbi, Saddam Hussein, bin Laden…ver para crer

 “Os americanos mataram bin Laden” – foi a notícia que acordou o mundo esta segunda-feira. As notícias mostraram o Presidente Obama a anunciar o feito das suas tropas especiais e os americanos na rua a festejarem. Os líderes mundiais felicitavam o presidente americano mas mostravam cautela e alguma apreensão quanto a uma conclusão sobre o fim do terrorismo da al-Qaida.

A meio da manhã surgiram notícias de que a televisão paquistanesa mostrara o rosto de bin Laden ensanguentado, mas pouco depois soube-se que a imagem não era a do chefe da al-Qaida. Outras notícias diziam que o corpo de bin Laden fora deitado ao mar …

Lembrando-se das inúmeras vezes em que bin Laden foi dado como morto, alguns desconfiavam e começaram a ouvir-se  perguntas:  onde estão as provas?

Fora assim com Saddam Hussein em 2007. Foi preciso ver para acreditar que estava morto. As televisões internacionais mostraram as imagens e os diálogos dos momentos imediatamente anteriores e porteriores  à  colocação do baraço no pescoço do condenado e entre nós, uma delas, a TVI, foi mais longe e num acto gratuito de puro voyeurismo exibiu o momento da queda do corpo e imagens do rosto de Saddam  durante o enforcamento (o que lhe valeu um processo contra-ordenacional, instaurado pela ERC).

Saddam Hussein

Todas as televisões  mostraram  Saddam no seu leito de morte envolto num lençol branco e essa era a imagem principal, aquela que o mundo precisava de ver para acreditar.

Foi também assim com Savimbi.

Savimbi

A imagem do chefe da Unita morto na mata africana, descomposto e abandonado às moscas, chocou muita gente em Portugal. Era uma imagem humilhante na morte, como o era a de Saddam Hussein com a corda ao pescoço a tombar no chão, e os mortos sejam santos, guerrilheiros, terroristas ou simples mortais têm direito ao respeito da sua dignidade enquanto seres humanos.

Foi preciso ver aquelas imagens para acreditar na morte de ambos. É também assim agora com bin Laden. Ver para crer…

Esta entrada foi publicada em Política, Sociedade, Televisão. ligação permanente.