A importância de ser ou não ser marido…

 

O casamento já tinha sido notícia em vários jornais e blogs. Na altura identifiquei nos títulos e textos publicados cinco ideias-have sobre o protagonista, que justificariam que o seu casamento fosse notícia: ser político; ser ex-líder da JSD; ser gay; ser o primeiro político a casar com pessoa do mesmo sexo; a união ser  assumida publicamente.

Fazia, pois, sentido haver notícia.

Esta terça-feira, Jorge Nuno de Sá voltou a ser notícia, desta vez  contra a sua vontade, como se depreende de uma citação contida na peça onde afirma:  “Não falo da minha vida privada”. Vejamos, porém, se desta vez, faz sentido haver notícia.

Embora aparentemente o enfoque da peça resida na “violência doméstica”, o verdadeiro “valor” da notícia continua a ser o anterior cargo político (ex-deputado) e a sua orientação sexual ([tem] marido) . Só assim se compreende que no título se refira que a investigação abrange o  “ex-deputado”  e “marido” . 

Vários outros aspectos chamam a atenção nesta notícia: em primeiro lugar,  o facto de ser capa de um jornal tido como “de referência” (mesmo descontando o facto de  Agosto ser o mês da silly season); em segundo lugar, a circunstância de existirem quase diariamente casos de violência doméstica entre casais homossexuais e heterossexuais, conforme a própria peça do DN explicita, que não são notícia;  em terceiro lugar, o acontecimento relatado ocorreu há quase um mês; em quarto lugar, a particularidade (nada particular, diga-se) de a fonte principal da notícia ser a PSP que se esmerou em pormenores, incluindo  citações de citações, tudo em discurso directo – uma “fonte da esquadra de Benfica da PSP” cita “o jovem de 25 anos” a dizer que “o marido” “o tinha tentado asfixiar”….

Pelos vistos, a PSP também tem a sua silly season.

A identificação de pessoas nas notícias, a partir da sua orientação sexual bem como da raça, etnia, religião, só é aceitável em casos excepcionais que, neste caso, não creio se justificassem. Aliás, um elemento da APAV, entrevistado pelo DN no âmbito da mesma peça,  refere que a APAV “não especifica” nem autonomiza a violência entre gays “em função do género” porque “isso seria inconstitucional” e “uma forma de discriminação”.

Compreende-se a reacção de Jorge Nuno de Sá quando contactado  pelo DN para comentar a notícia. A crer no jornal, terá dito:  “estava-se mesmo a ver que isto ia acontecer porque alguém está a querer destruir a minha vida”…

 

 

 

Esta entrada foi publicada em Sociedade com as etiquetas . ligação permanente.

2 respostas a A importância de ser ou não ser marido…

  1. Claro que estas notícias não têm interesse para a generalidade do país, mas são as primeiras que vamos ler, dado o nosso pendor para a bisbilhotice. Enquanto não se mudarem profundamente as mentalidades e os jornais se recusarem a publicar tais assuntos, continuará a ser assim.

  2. Notícias deste tipo envolvendo figuras públicas nem sequer deviam ser publicadas. Parece-me, ou melhor, tenho a certeza, que a direcção desse jornal desconhece o significado de “ética e deontologia profissional”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.