A mal-amada RTP

Não é preciso ser economista, financeiro ou gestor para saber  que quando se pretende vender um bem, seja uma empresa, uma mercadoria, ou qualquer outro, o que é normal é que se  tente valorizá-lo o mais possível.  Quando, ao contrário, quem vai vender um bem em vez de o valorizar o desqualifica  publicamente, três hipóteses são possíveis:  ou não precisa do dinheiro que vai arrecadar com a venda, ou pretende favorecer um comprador que tem em mente retirando da operação outro tipo de proveitos, ou é um “negociante” incompetente.

Este raciocínio  aplica-se que nem uma luva ao que está a acontecer com a anunciada  privatização da RTP, a crer nas declarações vindas a público dos vários intervenientes no processo.

Senão vejamos:

– Numa primeira fase, apresentou-se a RTP como uma empresa endividada, gastadora, com pessoal a mais, cheia de vícios, vencimentos de luxo, etc., etc., isto é, arrasou-se a imagem da empresa;

– Depois, criou-se um “grupo de reflexão” para decidir o que é o serviço público, ao mesmo tempo  que se encarregou a empresa de preparar a reestruturação tendo em vista a privatização de um dos seus canais generalistas de televisão e um ou dois canais de rádio. Isto é, o “grupo de reflexão” foi reduzido à mais absoluta insignificância;

– Apesar disso, o “grupo” continuou a reflectir enquanto a administração da empresa finalizava o plano de reestruturação e o fazia aprovar pelo  ministro da tutela;

– Divulgado o plano, ficou a saber-se que o “novo canal” usará as instalações da RTP e partilhará com ela  os serviços de produção e distribuição, pondo o carro à frente dos bois;

 

– Ficou também a saber-se que após a privatização de um canal a RTP  terá seis minutos de publicidade por hora e espera conseguir angariar 30 milhões de euros anuais de receitas publicitárias

– Confrontados com este anúncio, os operadores privados entraram em pânico e Pinto Balsemão aproveitou a conferência sobre “Media do Futuro” para dizer que o governo quer acabar com eles, mas se não quer parece;

– Perante as reacções desfavoráveis, o ministro da tutela diz que “não faz sentido” falar sobre essa matéria, uma vez que “o modelo de alienação do canal ainda não está definido;

– Baralhados com tanta contradição, os jornalistas perguntaram aos presidentes da Portugal Telecom, Zon e Vodafone Portugal se estão interessados na privatização do canal da RTP, tendo estes garantido que não; 

– Mais baralhados ainda, os jornalistas perguntaram ao ministro da tutela se haveria interessados no canal a ser alienado, ao que o ministro da tutela  respondeu com uma pergunta: “O que é que os senhores acham?”;

Entrevistado na TVI por Judite de Sousa, o ministro da tutela não desfez as contradições mas, pela primeira vez, elogiou os trabalhadores  e disse que a RTP é “uma grande televisao” que até “faz parte do nosso imaginário”;

– Na mesma entrevista, meio zangado, disse às privadas que seguissem o exemplo da RTP na contenção das despesas.

Conclusão:

Depois do arraso a que a sujeitou, talvez constatando que foi longe demais, o “vendedor”, isto é, o ministro da tutela, achou melhor  começar a elogiá-la. 

A mal-amada RTP deve andar pelo “preço da chuva”. 

 

Esta entrada foi publicada em Política, Sociedade, Televisão com as etiquetas . ligação permanente.

2 respostas a A mal-amada RTP

  1. Pingback: O ministro Relvas tem com a RTP uma relação de cônjuge infiel | VAI E VEM

  2. EGR diz:

    A estratégia de Miguel Relvas é clara, sendo fácil adivinhar quem é o seu comprador favorito para a RTP.
    Mas convenhamos que a mesma RTP se tem posto a jeito para os defensores da privatização. Basta pensar na mediocidade de muita da informação que nos presta-muitas vazes ao nível de qualquer tabloide-na falta de pluralismo, na má qualidade de muitos jornalistas,de reporteres incapazes de alinhar meia dúzia de frases,dos atropelos a lingua portuguesa, no esacandalo das “férias de alguns correspondentes,
    Por isso não se admirem que quem é contra a existencia de uma Televisão pública explore até ao limite todas essas fragilidades

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.