“Nunca tenho dúvidas e raramente me engano”

O primeiro-ministro afirmou não haver qualquer contradição com as declarações de Vitor Gaspar

 “Sei bem o que disse e mantenho o que disse”

Foi assim que o primeiro-ministro reafirmou hoje que “o desemprego poder ser uma oportunidade para Portugal”. Fez lembrar a célebre frase de Cavaco Silva “Nunca tenho dívidas e raramente me engano”.

O  primeiro-ministro anda irritado nos últimos tempos. Nota-se-lhe no rosto, nos lábios apertados, no gesto nervoso de pôr e tirar os óculos, na maneira como olha ou não olha os interlocutores no Parlamento e fora dele.

Tem razão para andar irritado. O ícone deste governo, Vítor Gaspar, meteu água nas últimas semanas com a “novela” do DEO (novo nome do PEC) que não enviou ao Parlamento, não se sabe se por desrespeito pelos deputados se por negligência dele ou dos serviços do Ministério, e não sei qual é pior. Pior que isso, o conteúdo do DEO é um desastre para o País (quem sabe se foi para que não se discutisse a sua substância que o ministro desviou a discussão não o enviando ao Parlamento para com isso provocar a ira dos deputados).

Passos confia cegamente em Gaspar e  Gaspar não pode nem quer “levantar cabelo” perante os seus colegas da troika (quem sabe depois disto se não irá juntar-se a eles, enquanto  os que resistirem às “novas oportunidades” de desemprego oferecidas pelo primeiro-ministro continuarão por cá).

Como se isto não bastasse, junta-se agora a bagunça das secretas, com os jornais a envolverem os nomes de dois companheiros de partido e de governo que mais ajudaram Passos Coelho a chegar à direcção do partido e depois à chefia do governo.

São razões mais que suficientes para o primeiro-ministro andar irritado, convenhamos. Mas não ser capaz de mostrar alguma humildade e reconhecer, ao menos, que  não tinha intenção de atingir os desempregados, enfim, qualquer coisa que mostrasse sensibilidade, humanidade, era o mínimo que podia fazer.

Em vez disso, o primeiro-ministro engrossou a voz,  reafirmou tudo e ainda acrescentou que  Portugal “está cansado das crises artificiais”.

Era bom  para os portugueses que “as crises fossem artificiais” mas, infelizmente, são bem reais. Só a  arrogância e a cegueira do primeiro-ministro o impedem de ver isso.

Quem diria que apenas um ano após chegar ao Governo já fala assim!

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Governo, Política, Sociedade com as etiquetas . ligação permanente.

3 respostas a “Nunca tenho dúvidas e raramente me engano”

  1. Vicente Silva diz:

    Será que ao ritmo que as broncas se vêm sucedendo estamos nós já a viver em broncacia?(*)
    (*)- Sistema governativo inventado por portugueses e utilisado a título experimental.

  2. Pingback: Coisas Giras de Portugal em 2012 (40) « O Peso e a Leveza

  3. Pingback: “Nunca tenho dúvidas e raramente me engano” | Máquina Semiótica

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s