Isto não vai lá com “novilíngua”

Dizem os comentadores ligados ao PSD – Marcelo e Marques Mendes – que o primeiro-ministro começou  a falar a “linguagem do povo” e daí  “que se lixem as eleições” e outras pérolas idênticas. Estará assim, dizem, mais próximo do “homem comum”.

Pois… o problema é que isto não vai lá com “novilíngua”.

Veja-se a manchete do DN: chama a atenção para mais uma das receitas furadas da troika.

Aliás, notícia seria se os portugueses não “fugissem” das Scuts e se o número de condutores a viajar nas auto-estradas tivesse aumentado.

O governo aumenta as portagens, a gasolina e o gasóleo. Retira a grande número de portugueses os subsídios de férias e de Natal, muitos dos quais,  por sua vez, os retiram a trabalhadores de si dependentes, por impossibilidade de os manterem. Aumenta os impostos e o custo de vida sobe na relação inversa dos orçamentos das famílias.

Os portugueses defendem-se como podem. Cortam onde é possível cortar e mesmo onde não seria possível mas corta-se. Há-de chegar uma altura em que já nada resta para cortar, foram-se os dedos e os anéis e nem a “tanga” de Durão Barroso resistirá…

Pergunta-se então? Tudo isto para quê?

– a receita que era suposto conseguir com o aumento das portagens baixou drasticamente; diz o DN que a GNR vai precisar de mais “efectivos” nas estradas secundárias mas não pode descurar as auto-estradas (talvez necessite mesmo de pagar horas extraordinárias, acrescento); há  mais acidentes mas com menos mortes, o que significa mais gente a necessitar de ser socorrida em urgências de hospitais e mais despesas com saúde.

– as receitas que o governo esperava arrecadar com a subida de impostos também são o que sabemos: os portugueses poupam em tudo o que podem, comem do mais barato, restaurantes só de vez em quando e só para alguns, compras só mesmo o essencial.

O que o governo tira aos portugueses os portugueses “tiram” aos “cofres” do governo. É um círculo vicioso que só traz recessão ao país e miséria e tristeza aos portugueses. Toda a gente vê, não é preciso ser economista ou financeiro. Basta governar uma casa…

O primeiro-ministro e a troika bem podem dizer que está tudo a correr bem. Aliás, que a troika o diga, não se estranha. Precisa de apresentar Portugal como um sucesso da sua receita, bem sabendo que essa receita falhou. O que se estranha é que o primeiro-ministro repita o catecismo com um “fervor” que já nem os padres mostram perante palavras do Papa.

Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Economia, Governo, Política, Sociedade com as etiquetas . ligação permanente.

3 respostas a Isto não vai lá com “novilíngua”

  1. Manuel Bonifácio diz:

    É o que faz as turbo-licenciaturas à PPD, na economia…

  2. António Nunes diz:

    E o engraçado é que as portagens serviram para o princípio sacrossanto do utilizador-pagador. No caso da Lusoponte, quantos menos carros por lá andarem mais o orçamento de estado ´terá de desembolsar para compensar a empresa. Ou seja, todos nós pagámos pela construção da estrada e agora, todos nós, pagamos pela manutenção de uma administração política paga a peso de ouro.
    Não sei se na Brisa tal também acontece, mas que o Gaspar começa a perceber a história das mantas que são curtas, ai isso começa.

  3. Vicente Silva diz:

    Na canção “Grândola Morena”,do saudoso Zeca Afonso,existe o verso “em cada esquina um amigo”;
    agora a cantiga é outra e passa a ser “em cada curva uma brigada”,e não é para cantar!…
    O tio Patinhas,digo tio Gaspar,é na verdade um génio na arte de “sacar”; os automobilistas que se cuidem porque as ordens são de tolerância zero e há que recuperar mais um falhanço nas receitas previstas das SCUTs.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.