Mesmo na silly season há limites para o mau gosto

Esta peça do Correio da Manhã (imagem roubada aqui) é a todos os títulos de um mau gosto atroz. Ao contrário do que certamente pretende, ao relacionar o emagrecimento do primeiro-ministro com a queda de cabelo, o jornal levanta suspeitas sobre a sua saúde, o que revela    no mínimo inconsciência e irresponsabilidade porque, seja com quem for, não se brinca com a saúde das pessoas.

Ao invocar uma fonte “próxima do primeiro-ministro” para tornar a “notícia” mais credível agrava a questão, uma vez que se alguém “próximo do primeiro-ministro” sente necessidade de vir a público explicar a “queda de cabelo” do chefe do governo dá a entender que o assunto merece atenção.

Também os detalhes de que  “grandes dietas”, “stress” e “oleosidade”  provocam queda do cabelo, são ridículos. A não ser que o Correio da Manhã ou a tal “fonte próxima do primeiro-ministro” estejam mesmo preocupados em passar a mensagem de que o primeiro-ministro está de boa saúde, do que certamente ninguém duvidaria até agora.

E eis como uma peça que tanto pode corresponder a uma “encomenda” de uma fonte atacada de excesso de zelo, como ser um fait-divers próprio da silly season, se transforma numa sugestão de que algo pode não estar a correr bem com o primeiro-ministro.

De um “rumor” tão diligentemente encenado nem os adversários políticos do primeiro-ministro se lembrariam…

Esta entrada foi publicada em Governo, Jornalismo com as etiquetas . ligação permanente.