A gaffe de Marcelo questiona a natureza do programa e a função da jornalista

Marcelo Rebelo de Sousa cometeu este Domingo, na TVI, uma gaffe monumental (chamemos-lhe assim) ao atribuir a José Sócrates a autoria do imposto sobre o subsídio de Natal de 2011 (aos 17m 15s no link).

Mas foi Judite de Sousa a ter a sua prova de fogo, ao ter hesitado e demorado na correcção do erro de Marcelo, deixando-o prosseguir a argumentação de que há uma “fórmula Sócrates” – cortar 50% do subsídio” e uma “fórmula Passos Coelho corrigida”… Só aos 19m21s Judite tentou corrigir o professor: “Há aqui algo que me está a fazer confusão na sua análise: não tenho ideia de José Sócrates ter cortado 50% do subsídio”. Mesmo assim,  Marcelo insistiu “Então não se lembra de que ele deixou esse legado para o último ano, não se lembra?””. Judite ainda insistiu…“sim mas a decisão foi deste governo…”…”Foi?”  hesitou Marcelo, com Judite a responder: “julgo que sim” e passou adiante.

A gaffe de Marcelo foi grave, não apenas por se tratar de uma mentira, já que foi Passos Coelho e não Sócrates quem impôs o corte no subsídio de 2011, mas sobretudo porque não foi imediatamente corrigida com clareza e segurança, deixando que a dúvida se instalasse nos telespectadores menos informados. Só quase no final do programa Marcelo reconheceu o erro e pediu desculpa “a José Sócrates”.

Não sei se Judite hesitou na correcção do professor, porque duvidou da sua própria memória ou se hesitou para não desmentir Marcelo, deixando que fosse ele a reconhecer o seu próprio erro.

Num programa em que o  papel de Judite de Sousa (como o de outros jornalistas  que têm contracenado com o professor naquele espaço na TVI e na RTP) é um papel menor  – não encontro o termo exacto para definir  a função de “receber” Marcelo,  dar-lhe as “dicas” para ele opinar sobre os assuntos que ele próprio antecipadamente escolheu e ler as perguntas que os telespectadores lhe dirigem.

Lembro-me de há alguns anos,  quando Judite contracenava com António Vitorino na RTP1 no programa “Notas Soltas” – que era o correspondente “socialista” ao programa de Marcelo na altura emitido na RTP – Judite ter dito, num debate no Clube de Jornalistas que eu própria moderei, a propósito desses dois programas, que “é muito difícil encontrar o tom certo para conduzir [a] conversa” e que “não se tratando de uma entrevista pura e dura não resist[ia, com Vitorino], a manter o diálogo numa lógica de pergunta e resposta”.

A gaffe deste domingo veio chamar a atenção, uma vez mais, para a natureza do programa de Marcelo. É suposto que numa entrevista jornalística, Judite não hesitaria na correcção do erro. Mas aquele é um espaço de Marcelo, em que Marcelo escolhe os temas (receberá porventura sugestões de Judite,  aceitando-as  ou não), diz o que quer sobre o que quer e da maneira que quer. É uma espécie de tempo de antena, só que em vez de ser tempo de antena de um partido político ou de uma associação (sujeito a duração, periodicidade, etc.) é um tempo de antena de uma só pessoa e, ao contrário do primeiro, não está previsto na lei. Com a diferença também de contar com a presença de um/uma jornalista que não está ali para verdadeiramente desempenhar funções de  jornalista.

A gaffe de Marcelo questiona a natureza do programa e a função que nele desempenha a, ou o, jornalista que com ele contracena.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Jornalismo, Política, Televisão. ligação permanente.

28 respostas a A gaffe de Marcelo questiona a natureza do programa e a função da jornalista

  1. Pingback: Ter poder sem ter responsabilidade | VAI E VEM

  2. carlota videira diz:

    Realmente, O Sr. Eng. Socrates,continua a ser a pessoa mais politica deste País. Não acredito que o Prof.Marcelo, se tenha esquecido , quem foi O Senhor que tirou 5O% ao subsidio. Enfim!!!!!!
    A Judite de Sousa deu logo pela mentira.só que não foi capaz de contradizer. Mas no fim pediu desculpas,mas ficou no ar, e muitos portugueses por causa de vários jornalistas contra O Sr.EnG.Socrates,fizeram dele, um mau governador. Se o Eng.Socrates tivesse neste governo a governar como eles nos governam, já há MUITO ,ESTE GOVERNO TINHA CAÍDO.

  3. Pingback: Marcelo e a “fórmula Sócrates”, “Nini dos meus 15 anos” e a “doutrina Expresso” sobre a licenciatura de Relvas: os três posts mais lidos do Vaivem em 2012 | VAI E VEM

  4. Mário J Malaquias diz:

    Embora tenha este blogue nos “Favoritos”,por algo que li antes de férias,é a 2ªvez que acompanho um tema…Considero Marcelo inteligentíssimo,mas no registo em que a cantora Yma Sumac (a das 6 escalas na voz…)se notabilizava no canto: um registo…circense…Nunca consegui encontrar o “tom” em que poderia comentá-lo…Quem não esteve para lhe servir de “ponto” foi Ana de Sousa Dias,depois de 2 ou 3 programas em que tentou impôr a sua classe de jornalista…

  5. Paulo Pereira diz:

    Uma coisa: Não é a primeira vez que o Morcela fala do que não sabe. Há alguns anos saiu Asterix e La Traviata. no DN , o criador Uderzo foi entrevistado pelo Nuno Galopim. E disse que apesar de ser o centenário da morte de Verdi, o livro nada tinha a ver com Verdi. Apenas era necessário um nome italiano e que ele Uderzo tinha escolhido esse.

    Eu depois lí o livro e confirmei que aquilo nada tinha que ver com Verdi. Nesse fim de semana, aparece a Morcela a dizer que o livro tinha que ver com Verdi. Passei-me completamente. Se nem num livro que se lê em 15 minutos ele acerta , como pode falar do resto?

    Depois nas semanas seguintes apanhei o outra vez em completamente desacordo noutro livro que eu tinha lido e numa matéria que eu sabia bastante . Compreendi então que ele só diz banalidades. Deixei de o ver.

    Se ele é prof de Direito então que comente Direito. Agora do resto é um verdadeiro ignorante. Nem vale a pena estar a perder tempo com ele.

  6. Avelino, concordo contigo em quase tudo mas acho que o Marcelo não cometeria tal gaffe premeditadamante, já que não podia deixar de saber que, se o fizesse ele é que ficaria mal colocado na sua credibilidade e seriedade, como se viu em muitas reacções. Ele errou porque ou teve um lapso de memória ou não pensou no que disse, não sei mas afasto a ideia de premeditação.Acho que a Judite também não esperava tal lapso e por isso hesitou e também acho, como tu, que ela é uma das melhores entrevistadoras da televisão portuguesa. Agora aquele espaço não é uma “entrevista”, nem pouco mais ou menos.
    Um bj e obrigada pelo excelente comentário e pela visita ao blog…volta sempre e comenta

  7. José Guinote diz:

    Julgo que a razão pela qual se verificou a tentativa de imputar ao anterior Governo o corte de metade do subsídio de Natal não resulta de alguma obsolescência intelectual do Dr. Marcelo Rebelo de Sousa. Antes pelo contrário. Esta infatigável personagem gere com inigualável sucesso – e em tempo real – um conjunto de heterónimos à mais de duas décadas. Além do Professor Universitário Marcelo Rebelo de Sousa, há o comentador político Marcelo Rebelo de Sousa e ainda o político Marcelo Rebelo de Sousa eterno candidato do PSD a tudo o que exista algures entre primeiro-ministro e Presidente da República. Claro que os dois últimos heterónimos são a garantia que a independência do comentador nunca é afetada pela visão partidária pura e dura do político. Estes dois heterónimos beneficiam ainda da existência do primeiro que lhes confere sabedoria – que é o que se espera de um professor catedrático das mais finas cátedras – o que muito beneficia a vida deles.
    O que se passou foi que, sem que a Judite de Sousa, se tivesse apercebido quem esteve nesta semana a comentar foi o heterónimo político Marcelo Rebelo de Sousa isto tudo porque na reunião que faz todas as sextas-feiras com todos os heterónimos o professor distribuiu mal as tarefas mandando o comentador para uma reunião do Ministro Relvas com o consultor António Borges para falar sobre a privatização da RTP e, involuntariamente, o político MRS para o programa da TVI.

  8. avelinorodrigues.ar@gmail.com diz:

    Olá Estrela! Interrompi os meus afazeres académicos e voltei a ter tempo para ler o teu blogue. Venho defender a Judite e o Marcelo. A minha opinião é pessoal , mas fundamentada.
    Falo como jornalista e como formador de jornalistas de televisão, cargo que exerci na RTP quando lá havia um Centro de Formação. Falo também como estudioso dos Média. Politicamente sou de esquerda e vomito este governo de saloios e vende-pátrias. Lutei pelo Serviço Público, anos a fio, contra adversários bem intencionados, contra jornalistas acomodados ou inertes, contra a impertinência de comentadores ignorantes ou facciosos e contra a apatia do PS (que tinha o serviço público na sua matriz política , mas entregava o ouro ao bandido, ou seja a um partido que tinha na sua matriz a aversão ao Serviço público).

    1. A judite não é uma jornalista perfeita. (Alguém conhece um jornalista perfeito ?) Mas é a melhor entrevistadora de toda a televisão portuguesa, desde a Maria Elisa (que também não era perfeita). E já não falo do J.Letria, que não entra em comparações. A maior é comparativo -digo mais, é uma grande jornalista. Conheço-a desde que entrou na RTP, antes de 1980, tenho acompanhado criticamente o seu percurso, discordando dela muitas vezes, mas compreendendo a razão da sua agressividade, que aliás corrigiu mas lhe deixou uma imagem de marca. Dizem que é do PSD, paciência, é uma mazela de facto, acontece aos melhores como o Pacheco Pereira ou o Graça Moura ou … o Marcelo Rebelo de Sousa.

    2. Li os comentários sobre o Marcelo. Até onde pode chegar a cegueira de alguns comentadores do comentador, dum lado e doutro! O Marcelo é um fora de série, inteligente, culto, brilhante, grande comunicador e … espantoso manobrador do senso comum. Erro de casting do pragrama : o Marcelo: não pode ser apresentado como comentador oficial duma estação, sem contraditório ; só poderia funcionar honestamente como opinador, sòzinhoi na sua cátedra ou num frente-a-frente. É ambicioso? (tem categoria para sê-lo). É contra os erros da esquerda? (e daí?) É do PSD? ( cá está a tal amolgadela na cabeça, azar ). Aliás eu tenho um amigo cego, outro coxo, dois são surdos como uma porta, outros são do Benfica … e o Marcelo é do PSD. O q é q se há-de fazer?
    Vamos à entrevista. MRS deu uma canelada ao Sócrates. Mas caberá na cabeça dum careca q um homem tão inteligente erre de má fé numa afirmação tão desmentível? Expor-se ao ridículo e arriscar a sua reputação? Disparate ! Falha de memória sim, acontece aos melhores. Lá por ser tão inteligente, não quer dizer q não se engane. Gaffe contra a esquerda, pois claro, fugiu-lhe o pé, está-lhe na massa do sangue.

    3. E que fez a Judite? Fez aquilo que se impunha, manifestou a sua estranheza e deu ao entrevistado uma oportunidade de se explicar. Mas certamente não tinha ali à mão documentos para desmentir o professor ( e podia desmentir?). E que fez o Marcelo? Após algum tempo para consultar a memória ou algum amigo fora do estúdio, acabou por reconhecer o erro e pdir desculpa. Portanto, da parte dos dois protagonistas, é um caso quase exemplar. O q é q esteve mal?
    4. O q está mal é o modelo de programa, que, como tantos outros, é uma confusão de géneros jornalísticos. Não se sabendo qual é o modelo, é impossível evitar os erros de casting. Claro que não há géneros puros, e um certo hibridismo é natural. Mas nas nossa televisões todos os dias se fazem estas confusões, em que o jornalista não sabe se está numa entreevista ( e aí ele seria essencialmente um perguntador, mas não é preciso apagar-se tanto como o Carlos Andrade ) ou numa mesa-redonda (e aí ele não pode confundir-se com os outros “comensais” ) ou num frente-a-frente ( e aí é errado que o jornalista seja um dos galos do poleiro) ou num debate com vários participantes ( e aí o jornalista deve conduzir o debate e não intervir como os outros opinadores) ou num debate reduzido a dois participantes, jornalista e entrtevistado, ambos no mesmo banco. (Este é o modelo de enttevista de Miguel Sousa Tavares que manda no assunto e no dispositivo, faz a pergunta, ouve a resposta e replica ao entrevistado – modelo um pouco abusivo mas ainda aceitável, no caso concreto, porque o público já interiorizou que MSTavares é ele próprio um opinion-maker).

    Pronto, acabo já, para não matar o assunto. Avelino Rodrigues

  9. Rato da Silva diz:

    Quem o Marcelo Rebelo de Sousa afinal?

  10. maria Martins diz:

    Não faço ideia se é manobra, má fé, propaganda com fins politicos ou interesses futuros, não sei. O que me parece é que para se criticar este tipo de coisas (ou outras) não será certamente necessário tanta falta de respeito, tanta conversa descabida,tanta difamação neste caso á pessoa em causa, o prof. Marcelo. A opinião mais chocante é sem duvida a de Victor Simões que procurou afincadamente os adjectivos mais ofensivos para os atirar de rajada ao Prof.Marcelo. É triste o que se vê nos dias que correm. O respeito foi-se e já não há volta a dar. É pena!.

  11. Pingback: O silêncio nos media tradicionais quanto à gaffe de Marcelo « Máquina Semiótica

  12. FilmPuff diz:

    A partir do momento em que a Judite Sousa é casada com o Fernando Seara… Até pode ser uma mulher séria mas isso não basta. Tem de o parecer. Só esse facto já ameaça a sua legitimidade para conduzir a entrevista, com esta “gaffe” então…

  13. Pingback: O silêncio nos media tradicionais quanto à gaffe de Marcelo | VAI E VEM

  14. Boa tarde a todos…

    Neste caso prefiro não fazer juízos de valor.

    Prefiro antes e desculpem a veemência das palavras que vou proferir, mas é a minha mais profunda convicção: toda os meios de comunicação social são o exemplo mais evidente de uma degradante prostituição intelectual e moral que existe na face da terra. Seja ela qual for. Uns mais outros menos, mas todos são parciais a este e à aquele interesse.
    Nenhuma imagem, palavra escrita ou falada surge de forma completamente independente à excepção de alguns programas de opinião em que alguns comentaristas dizem realmente o que pensam e justificam claramente as suas posições, mas nenhum programa destes são em canal aberto.

    Enfim…não dou muita importância a este lapso porque a generalidade das pessoas que votam, não o fazem completamente esclarecidas, fundamentalmente se as suas únicas fontes de informação foram os telejornais e jornais escritos.

    Cumprimentos ao Fórum…

  15. Ricardo Silva diz:

    Papalvo é quem acredita que PS e PSD são 2 partidos diferentes, Maria. 😛

  16. henrique antunes diz:

    Independentemente do erro ou ma fe, nesta altura do campeonato estar a defender alguem ligado aos partidos parece-me no minimo bizarro. Estamos na situacao em que estamos por 30 anos de consecutivos erros de gestao de fundos publicos e de roubos constantes, vejam-se as ppp’s usadas e abusadas pelo ps, o caso da ponte 25 de Abril o ano passado – gestao psd -, etc. etc., e ainda se perde tempo a ouvir e analizar o que os politicos e comentadores dizem. Foram eles que nos trouxeram ate aqui e sao eles alguns dos que beneficiam da situacao. Sao todos culpados e nao ha uns melhores que outros. Enquanto nao quizer-mos olhar para o exemplo da Islandia vamos todos continuar a queixarmo-nos, mas a pagar os erros e desvarios dos mesmos…….assim nao vamos la….!!!

  17. Pingback: A gaffe de Marcelo questiona a natureza do programa e a função da jornalista « Máquina Semiótica

  18. Idália Salvador Serrão diz:

    Há duas semanas, o professor também não falou verdade acerca das férias dos deputados que disse serem de dois meses.
    Mentira!
    O último dia de reuniões foi 31 de Julho.
    A primeira reunião após as férias está marcada para 5 de Setembro.
    Entretanto há trabalho a fazer logo no início do mês.
    Lamentável!

  19. Pingback: Coisas Giras de Portugal em 2012 (62) « O Peso e a Leveza

  20. João Eduardo diz:

    No início Marcelo, conversava sobre livros,mas foram só para aí, 10 minutos, mas isso faz agora para aí 15 anos.

  21. Victor Simões diz:

    Na minha perspectiva não há gaffe nenhuma. Existe sim, má fé deste lacrau mentiroso aliada à sua prosápia balofa, bafienta, e que acaba por se enrolar nos seus próprios delírios. Enfim um bruto com tempo de antena que consegue mentir, e que mais que uma vez procurou reescrever a história. Para aqueles leitores assíduos do pasquim do Octávio (CM), para os telespectadores mais incautos do que resta da forma de fazer televisão do ilhéu serôdio ( Moniz ) e, para uns quantos que discutem política nos cafés a partir da opinião destas mentes brilhantes, um verdadeiro momento de sonho. O “Raspar” que aproveite a taxar a ignorância, a má-fé e imcompetência histórica do filho do ministro do Ultramar, Rebelo de Sousa. O lacrau está ao nível daqueles cursos “à la Relvas”.

  22. Carlos Serra diz:

    Errata: Onde escrevi “e, provavelmente, não merecem os mais”, queria escrever: “e, provavelmente, não merecemos mais”

  23. A tese apresentada por Carlos Serra tem lógica. O videirinho faz campanha a favor de Passos com o intuito de ter, mais tarde, o apoio do PSD à candidatura de Marcelo às presidenciais. Nesta tarefa Marcelo ataca Sócrates, sempre que pode, e elogia Passos Coelho a toda a hora. A mentira propalada por Marcelo é o corolário da campanha de ódio e rancor mantida contra Sócrates. Judite de Sousa reagiu tarde, mas reagiu, não deixando passar em branco a mentirola de Marcelo. Como diz Maria Lopes, esta “gente honrada” tem uma estratégia, está armada, tem uma “formula própria” para propagar mentiras, atoardas e aleivosias.

  24. Carlos Serra diz:

    Subscrevo a teoria dos que defendem que Marcelo – que em tempos afirmou que Passos Coelho era uma má versão de Sócrates – está a fazer tudo para agradar ao actual “patrão” do PSD, a fim de ganhar a melhor posição para ser o candidato do partido a Belém, depois do diminuído senil que ainda lá está, sair.

    E também acredito que ele não cometeu nenhum lapso: pelo contrário, mentiu deliberadamente.

    Julgo que a demorada reacção da partenaire se deve ao facto de ter sido alertada pela produção do programa para a necessidade de corrigir enorme golpada de Marcelo, porque, se dependesse dela, não teria corrigido nada.

    Segundo informação que reputo segura, os telefones e a caixa de correio da TVI foram “inundados” por reacções de telespectadores, indignados com a infâmia (tem outro nome?). E só por isso a rectificação terá sido feita.

    Numa estação onde os responsáveis tivessem uma réstea de vergonha, Marcelo teria dito ontem a sua homilia dominical pela última vez. Ou, tivesse ele respeito por si próprio, e seria o primeiro a abandonar o programa.

    Infelizmente temos o que temos (e, provavelmente, não merecem os mais).

  25. Por norma não costumo ver o programa… Nem sempre consigo ver o programa até ao fim… Normalmente ao meio do programa mudo de canal…O último, por acaso vi- o todo…
    A questão da minha relutância face ao programa parece-me estar relacionada com a minha sensação, deste ser, mais uma acção propagandista do PSD do que um momento esclarecedor, face aos acontecimentos semanais…
    Costumo pensar….. “A propaganda política tem o seu lugar próprio, que não este”
    Neste último, assisti a todo o programa porque estava interessada, qual seria o desfecho sobre a gaffe de Marcelo quanto à imposição da sobretaxa de IRS sobre o Subs. de Natal…
    Por fim…. e conhecendo , todos nós, a raposa velha do Professor Marcelo , lá se permitiu ele a um esclarecimento e a um pedido de desculpas ao José Sócrates…
    E isto porque certamente, durante o programa, não deixou de pensar os danos colaterais que a sua gaffe iria causar.

    Quanto à moderadora, nada a dizer….
    Comportamento altamente coprometido com as forças de um partido!…..

  26. Vicente Silva diz:

    Aquele pedido de desculpas a Sócrates,foi o sapo maior que sobrou da arrozada do Pontal e que o professor teve de engolir a muito custo.

  27. Jorge Xavier diz:

    Obviamente não é gaffe. Este tipo de coisas são sempre uma de duas: ignorância ou má-fé. Neste caso é manifestamente má-fé, uma tentativa vergonhosa de reescrever a história.

  28. maria lopes diz:

    É UMA MANOBRA DO P.S.D.,FAZER REPETIDAMENTE UMA MENTIRA TRANSFORMAR-SE EM VERDADE.DESTA VEZ NÃO CONSEGUIU RESULTADO, ERA FORTE DEMAIS.MAS JÁ HÁ
    MUITOS ANOS QUE USAM ESSA ESTRATÉGIA E A VERDADE É QUE SÓ ASSIM CONSEGUIRAM UMA MAIORIA ,ENGANANDO OS PAPALVOS E AFUNDANDO ESTE PAÍS.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s