RTP: António Borges foi o homem do balão

A estratégia é conhecida por “balão de ensaio” e tem vários níveis de sofisticação. É delineada nas altas esferas e é geralmente aplicada através de “fugas” de informação dirigidas a certos jornais “próximos” por intermédio de  jornalistas “de confiança”.

Esta estratégia, tudo o indica,  foi agora utilizada pelo Governo, a propósito da RTP, com algum grau de sofisticação. Mas há sempre alguma coisa que escapa ao controle e ajuda a perceber  mais do que aquilo que se diz.

Neste caso, importa analisar todos os pormenores do que veio a público e do que é possível perceber do que não veio,  porque eles fornecem sinais sobre o que verdadeiramente se prepara para a RTP. Vejamos:

– A notícia sobre a “hipótese em cima da mesa”, de concessão do serviço público a um privado e encerramento da RTP2, foi dada em primeira mão ao jornal Sol que a anunciou na sua edição electrónica ao fim do dia de ontem, antes de ser divulgada pela TVI no Jornal das 8 e hoje pela edição papel do jornal. 

– O Sol é  detido em 96,96% pela Newshold, grupo angolano cuja estrutura accionista é constituída por Pineview Overseas, S.A. (Sociedade Anónima sedeada na República do Panamá) e em 5% pela TWK – SGPS, Lda. (Sociedade por Quotas).

– A Newshold, dona do SOL, segundo notícias vindas a público  está a preparar a sua candidatura à privatização de uma frequência da RTP, tendo para isso criado uma nova empresa e começado a contratar colaboradores para a elaboração do projecto.  

– A notícia do SOL é assinada exclusivamente pelo vogal do conselho de administração do jornal, José António Lima, e não por  jornalistas que geralmente cobrem os temas televisão e media, o que sugere ter o assunto sido tratado apenas ao mais alto nível no seio do jornal por alguém em posição de deter e poder controlar a divulgação da informação conveniente.

– Do lado do Governo, o escolhido para a execução da estratégia não foi, desta vez, um assessor ou um dos comentadores televisivos a quem o Governo costuma dar “cachas”- Marcelo ou Marques Mendes. O governo subiu a parada e entregou o serviço ao seu conselheiro e ministro-sombra com o pelouro das privatizações, António Borges, que nada tem a perder e tudo tem a ganhar em fazer o papel do “balão” que não se importa de ser desmentido se o “ensaio” não der o resultado esperado.

– E é aqui que entra a TVI. Seria coincidência a mais que a TVI se lembrasse de entrevistar António Borges no dia em que a notícia do dia  era o buraco orçamental. Mas era preciso que António Borges – o escolhido pelo Governo para dar a cara – fosse a uma televisão fazer o spin, prevenindo a eventualidade de a notícia do Sol não corresponder ao que o Governo queria que fosse dito. A RTP estava fora de questão, a SIC ainda mais pelos motivos conhecidos: Balsemão é frontalmente contra a estratégia do Governo para a RTP. Então, quem melhor do que Judite de Sousa para conseguir entrevistar  em cima da hora uma figura de proa ligada ao Governo como António Borges?

E assim o “balão de ensaio” fez o seu caminho…

Veremos se o serviço público de televisão acaba concessionado a uma entidade de seu nome Pineview Overseas, S.A., com sede na cidade do Panamá, República do Panamá… de cujos “testas de ferro” não foi até hoje possível conhecer os nomes.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Governo, Jornalismo, Política, Televisão com as etiquetas , . ligação permanente.

24 respostas a RTP: António Borges foi o homem do balão

  1. Pingback: Sobre as reacções à morte de António Borges | VAI E VEM

  2. Pingback: Não há almoços grátis: pouco sabemos sobre o que leva António Borges a correr em socorro do governo. | VAI E VEM

  3. Pingback: Marcelo e a “fórmula Sócrates”, “Nini dos meus 15 anos” e a “doutrina Expresso” sobre a licenciatura de Relvas: os três posts mais lidos do Vaivem em 2012 | VAI E VEM

  4. Pingback: O protagonismo de António Borges deve ter uma explicação | Máquina Semiótica

  5. Francisco Vale Afonso diz:

    Apetecia-me escrever umas coisas sobre as jogadas de poder e promiscuidade da política com o jornalismo (????), com o poder económico e outros poderes, muitas vezes ocultos. Mas sinto desprezo pelos que hoje ocupam os diversos poderes e por alguns dos seus peões, colocados em vários tabuleiros. Também é verdade que muitas das virgens ofendidas de hoje não fizeram melhor ontem… Enfim é este o nosso pequeno e mesquinho mundo…

  6. Pingback: O protagonismo de António Borges deve ter uma explicação | VAI E VEM

  7. Pingback: O anúncio de António Borges sobre a concessão da RTP: duas hipóteses explicativas « O Insurgente

  8. Judite de Sousa: Sobre o teu comentário:
    Lido no DN de 25 deste sábado (25/08): ” As declarações de Borges (…) foram previamente “programadas” na cúpula do Governo (passos e Relvas)” (pág. 2)
    Lido no último Expresso: “A coisa funciona assim: o ministro Miguel Rekvas dá a notícia a um jornal e agenda uma ida de Borges a um telejornal poucas horas depois. Borges vai lá, é apanhado de “surpresa pelo tema, mas confirma-o e discorre longamente sobre o assunto. É uma espécie de paparazzi combinado. Foi assim que o modelo que ninguém conhecia passou a ser verdade em trinta minutos” (…)” (pág. 15).

    Tomando as tuas palavras “Só quem não conhece” o campo político ignora que os políticos gerem os convites para entrevistas como lhes convém. O facto de Borges ter sido convidado há três meses confirma que escolheu o momento que lhe interessava para aceitar o convite antigo. Nada de diferente do que outros fazem. E nada que uma jornalista experiente não saiba. Evidentemente que a entrevista interessou ao canal e ao entrevistado. Tudo habitual na relação entre jornalismo e política. Não vale a pena tapar o sol com a peneira. Nem vejo qual a ofensa para uma resposta tão “ofendida”…

  9. antonio diz:

    Tem toda a razão a SRA vê aquilo que todos veem,alguns é que fazem de conta

  10. Pedro Henrique Brito diz:

    Olá tudo bem? Achei o seu blog muito interessante, tenho uma proposta de patrocinio para o seu blog, se tiver interesse em conhecer é só me mandar um e-mail: phbrito@windowslive.com

    Abraços! ; )

  11. João Faria diz:

    Gambrinos serão sempre gambrinos!

  12. Da fama e do proveito ninguém os livra. Corja estruturante e estruturada. No stress,PQoP! (Poetas Que orientam Portugal)

  13. João Valente diz:

    Judite, não faça de “virgem ofendida”, que até lhe fica mal…

  14. João Valente diz:

    Judite… não faça de “virgem ofendida”, que até lhe fica mal!

  15. carmobaptista@gmail.com diz:

    No comentário anterior, devia ter colocado o mail no campo do nome, as minhas desculpas.
    Vitor Baptista

  16. ___ diz:

    Só quem nunca assistiu a este circo acredita que não há coincidências!
    Maquiavel existiu, nasceu no século XV e ainda povoa o século XXI. Os arquitectos maquiavélicos são figuras transversais a todos os actores do palco do poder, iluminado mediaticamente e manipulado por interesses financeiros obscuros, incompetentes e exigentes.

    Obscuros, porque alimentam incessantemente a mediocridade, promovendo a informação em detrimento do conhecimento, criando uma discussão sem fim, de falsos opostos, esmagada pelo passado, que não chega a discutir o presente e não propõe horizontes, adiando continuamente uma ideia clara para Portugal.

    Incompetentes, porque os factos falam por si. Estamos perante uma elite falhada em toda a linha que se tornou poderosa à custa do empobrecimento das organizações que lideravam. Para não perdermos o foco, podemos recordar o caso da banca portuguesa, BPN e BCP. Enquanto os seus dirigentes criavam, de um dia para o outro, fortunas pessoas fabulosas, as instituições definhavam de dia para dia. Alguns deles posicionaram-se acima das próprias instituições que tutelavam. Tudo isto é possível, alimentando clientelas políticas, adquirindo e manipulando os meios que criam e que formam a opinião. Os interesses e as estratégias que se movem em torno da privatização da RTP já não escapam ao olho nú do mais indiferente dos cidadãos. E, a teoria da cabala, para silenciar o grito de revolta, já não cola.

    Exigentes, porque pedem para os outros aquilo a que não se obrigam a si próprios. António Borges, é um exemplo dessa exigência quando, do alto da sua autoridade, pede a redução do salário dos portuguese. Sem comentários!

    Atenção aos “anúncios”, ao turbilhão de desmentidos, contra-informação, de entrevistas cirúrgicas e das cortinas de fumo artificiais que criam factos para esconder a realidade. Nós, os cidadãos anónimos, já estamos fartos e não “papamos” mais “grupos”.

    É chegado o momento de vos dizer, que para ser intelectualmente honesto, não basta dizê-lo, é preciso sê-lo!

  17. Pedro diz:

    “Estas pessoas”? estas pessoas são iguais às outras; não são extraterrestres que vêm de Marte e só cá chegam em três semanas, nem são o presidente dos Estados Unidos (até este, se tiver alguma coisa para dizer num dia, arranja maneira de ser entrevistado no próprio dia). É uma questão de senso comum, não é preciso trabalhar na televisão. Ninguém acredita que uma entrevista com alguém como o António Borges, um mero consultor do governo, ainda por cima com vontade de falar, exija um protocolo especialiíssimo, por ser uma espécie especial de pessoa. Juntando-se a vontade de falar e a vontade de entrevistar, a coisa faz-se, sem grandes burocracias. Quanto ao resto, spin ou não spin, não me pronuncio.

  18. Pingback: Os novos desenvolvimentos RTP, segundo Estrela Serrano | O dia inicial inteiro e limpo

  19. Irapuãs@TVI.pt diz:

    As falsidades são sempre falsidades. A desonestidade é sempre desonestidade.

  20. odiainicial diz:

    Reblogged this on O dia inicial inteiro e limpo.

  21. odiainicial diz:

    Reblogged this on O dia inicial inteiro e limpo.

  22. Ricardo diz:

    Como diz o povo…”eu não acredito em bruxas, pero que hay, hay”

  23. Cara Judite, os factos são os factos e a interpretação dos mesmos é livre. Nem sempre o que parece é e também nem sempre o que é, parece.

  24. jrsousa@tvi.pt diz:

    Cara Estrela Serrano : Eu não faço parte de estratégias de ” spin “. A TVI não faz parte de estratégias de ” spin “. O que escreves é falso. O António Borges estava convidado há cerca de três semanas para uma entrevista na TVI. Só quem nunca trabalhou em televisão é que pode pensar que estas pessoas são convidadas no próprio dia. Agradeço que não uses o meu nome para falares de coisas que não sabes. Judite Sousa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s