RTP: os candidatos querem a casa arrumada antes do assalto

“Tanta gente e tantos carros” parece ser agora o enfoque principal dos detractores do serviço público de televisão, demonstrada que está a falácia dos custos e dos ganhos para o orçamento de Estado que resultariam da concessão do serviço público. Mas os ganhos serão só para   o operador privado que ficar com a concessão da RTP, que terá a garantia de um lucro de pelo menos 20 milhões de euros já em 2013. 

Vamos por partes:

Quando se fala no número de trabalhadores da empresa não se tem em conta o universo RTP, que pode ser representado pelas figuras seguintes (actualizadas por mão amiga):

imagem RTP

A RTP tem  pouco mais de dois mil trabalhadores (2183, número médio em 2011, segundo o Relatório e Contas 2011) para tão amplo universo que abrange não apenas os trabalhadores sedeados em Portugal e nas Regiões Autónomas mas também os correspondentes no estrangeiro, uma das obrigações do serviço público.

Quanto aos “57 carros de luxo”, citados no Correio da Manhã, o problema, a haver um problema, é o “luxo” porque os carros fazem falta, dado que jornalismo não se faz só ao telefone e na Internet. É que as televisões vivem de imagens e de sons captados nos locais onde ocorrem os acontecimentos e, como se imagina, há sítios onde andar a pé com o material não dá muito jeito, além de que o que se pouparia em carro e combustível gastar-se-ia em duração do tempo de cada saída para trabalho…

Mais a sério, se há viaturas a mais na RTP e se são de “luxo” ou se estão distribuídas a quem não precisa delas para trabalhar, a questão é fácil de resolver. Cortem-se os luxos e redistribuam-se ou vendam-se as viaturas supérfluas. Aliás, se mesmo com  luxos a RTP equilibrou as contas a ponto de poder prescindir da indemnização compensatória já em 2013, o problema é ainda menos grave. O lucro vai ser então superior ao anunciado pelo director-geral.

Mas compreende-se que o Correio da Manhã, cuja proprietária – a Cofina – é apontada como candidata à concessão ou à venda ou seja o que for, da RTP ou de um canal, se preocupe com os Audis e os Mercedes e queira ver a casa “arrumada” antes de tomar conta dela.

É óbvio que a RTP não é perfeita e que qualquer que seja o seu futuro necessita de ajustamentos que melhorem o seu desempenho em todos os níveis, nomeadamente na qualidade da oferta do serviço público. Isso não justifica, porém, a demagogia e a inconsistência dos argumentos usados para esconder que o que se pretende, ao fim e ao cabo, é acabar com ela.

Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Governo, Política, Sociedade, Sociologia dos Média, Televisão com as etiquetas . ligação permanente.

8 respostas a RTP: os candidatos querem a casa arrumada antes do assalto

  1. isabel Silva diz:

    Quanto aos salários e benefícios milionários de alguns jornalistas estamos todos de acordo.
    Tudo isso é pago com os nossos impostos e daí que, eu enquanto patroa, fique escandalizada com a situação! Mas isso sou foi possível com os belos gestores que os sucessivos governos nomeiam para a RTP e outras empresas públicas.
    Mas acabar com o serviço público da RTP digo NÃO e NÃO!!!
    Limpe-se todo o lixo que vem do passado, sim, mas a RTP é nossa não é dos abutres que já se perfilam!

  2. Popy, tem razão, só tinha aquela imagem do universo RTP mas já substituí. Obrigada.

  3. Mário Silva esclareça sff o que quer dizer para podermos discutir o assunto.

  4. Mário A. Silva diz:

    Pois o problema é que o erário publico não andou a sustentar durante anos, indemnizações compensatórias. Recomendo que se informe melhor sobre a origem do passivo da RTP.
    Cumprimentos

  5. Eliminação da taxa em 1991, má gestão de sucessivas administrações, incumprimentos dos governos quanto a indemnizações compensatórias são as causas da dívida. A reforma Morais Sarmento e as duas últimas administrações equilibraram a empresa.Não há mistério, há boa gestão e trabalhadores empenhados e há ainda muito trabalho a fazer sobretudo na qualidade da programação.

  6. Mad PrtAF diz:

    Não percebo: ao fim de tantos anos em que o erário público andou a sustentar indemnizações compensatórias e de repente a RTP vai começar a dar lucro? Que terá acontecido? Mistério!!!

  7. popy diz:

    Esse quadro está cheio de erros. Na linha acesso livre, devem estar TODOS assinalados MENOS a RTP N (agora Informação) e a RTP Memória. Todos os outros são em acesso livre, mesmo a RTP África, que em Portugal está no cabo, mas está em acesso livre através de satelite.

    Na linha emissão satélite, RTP N não devia estar sinalizado, mas sim a RTP África.

    No stream/on demand, todos devem estar assinalados.

    No podcast, Antena 1, 2 e 3, RDP Internacional e África têm podcast.

    Se a imagem é mesmo fonte RTP, está completamente mais que desactualizada e/ou com informação errada.

  8. Marionela Gusmão diz:

    A RTP tem excelentes profissionais e foi dela que saíram os que hoje trabalham nos outros canais. Não direi todos, mas foram muitos. Se a RTP tem as contas tão em ordem porquê vende-la? Para enriquecer os outros? Vi as contas que o José Rodrigues dos Santos apresentou e lembro ainda aos senhores da SIC e TVI que quando eles apareceram já a RTP cá estava. Há problemas de publicidade? Pois, há. São os riscos dos empresários. O que poucos devem saber é que a SIC beneficiou, em grande, ao receber o sinal para emitir sem pagar um tostão à RTP. O mesmo não se pode dizer da TVI que se socorreu dos vários emissores que tinha da Rádio Renascença.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s