Chegou o tempo da caça às bruxas

Muitos se indignaram, com razão, com as palavras desastradas da ministra da Justiça pronunciadas ontem, ao afirmar que “houve um tempo de impunidade que acabou”, no mesmo dia em que se ficou a conhecer que três ex-governantes socialistas – Mário Lino, António Mendonça e Paulo Campos –  foram alvo de buscas domiciliárias no âmbito do processo aberto pelo Ministério Público com base na queixa do ex-director do Correio da Manhã, actual presidente do Automóvel Clube de Portugal, Carlos Barbosa.

É claro que  as palavras da ministra da Justiça só podiam ser, como foram, associadas a essa diligência judicial, para mais com o “estrondo” com que veio a conhecer-se, também devido à equipa de “luxo” que procedeu às diligências: nada mais que um “super juiz” e dois “superes-procuradores”, um dos quais já familiarizado com governantes socialistas visto que lhe coube a investigação do processo Freeport.

Mas as palavras da ministra não podem também deixar de ser associadas à próxima substituição do Procurador-Geral da República, o qual, como se sabe, a ministra da Justiça gostaria de ter substituído quando chegou ao governo, se tivesse tido essa possibilidade. O Procurador nunca lhe “passou cartão” de modo que a ministra espera agora que o próximo seja “dócil”.

Como se estas coincidências não bastassem, também o banqueiro e ex-jornalista Fernando Urlich, certamente desagradado com a posição do PS frontalmente contrária à privatização da Caixa, veio hoje dizer, por ocasião de um debate sobre  a privatização da Caixa Geral de Depósitos, que “se fosse feita uma auditoria à gestão da CGD nos tempos dos governos socialistas, nenhum dirigente socialista tinha coragem de fazer qualquer pronunciamento sobre a CGD”.

Se o banqueiro sabe de alguma falcatrua feita na CGD pelos “governos socialistas”, pergunta-se-lhe porque não falou na altura ou porque não a participou ao Ministério Público.

Virem agora ministros e banqueiros de mão dada (aliás, os banqueiros deste país facilmente dão a mão a quem está no poder) fazer insinuações que calaram antes é hipocrisia e oportunismo.

A degradação do País chegou a isto: já não é só dinheiro que falta a quem nos governa e a quem está por detrás de quem nos governa. Falta também vergonha e ética. Começou a caça às bruxas!

Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Governo, Justiça, Política, Sociedade. ligação permanente.

5 respostas a Chegou o tempo da caça às bruxas

  1. Pingback: O Citius e a teoria da conspiração | VAI E VEM

  2. Pingback: Justiça impune e jornalismo de fretes | VAI E VEM

  3. Vicente Silva diz:

    E eu diria que tudo isto não é mais do que um novo capítulo da história da pulhice política aos quadradinhos.

  4. antónio ribeiro diz:

    Vejamos quem geria a CGD no tempo dos governos socialistas:
    – PM António Guterres- 1996-2000- Presidente da CGD- João salgueiro/PSD
    -PM António Guterres- 2000-2002- Presidente António de Sousa-PSD ( continuou até 2004)
    -Pm Jose´Socrates- 2005-2006- Presidente- Vitor Martins- PSD( nomeado por Bagão Félix)
    – PM josé Socrates-2006-2008- Presidente-Santos Ferreira- PS
    -PM Jose Socrates-2008- até hoje- Presidente- Faria de oliveira – PSD

    Coitado do ulrich, um dos donos de Portugal!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.