O sound bite do ministro da Defesa fez ricochete

O ministro da Defesa Nacional proferiu um discurso no dia do Exército onde, a dada altura, afirmou:

(…) O nosso maior adversário é o sentimento, inegavelmente crescente, de que as Forças Armadas, num contexto de carência geral, não são necessárias. É a visão simplista de que as despesas com a Defesa Nacional são um custo e não um investimento. Uma visão que, infelizmente deixou de estar limitada a uns quantos idealistas mas que passou a ser defendida, também, por comentadores de fato cinzento e gravata azul. (…) Comentadores de fato cinzento e gravata azul, (…) que enchem as páginas dos jornais e os noticiários da televisão repetindo: para que servem as Forças Armadas? (…) O discurso da inutilidade das Forças Armadas é, assim, o nosso maior adversário. Um adversário que ministro, generais e soldados têm de tomar como seu. Com as suas palavras, com os seus gestos e com as suas ações. Todos os dias. Porque este adversário é tão corrosivo, tão arriscado e tão perigoso para a segurança nacional como qualquer outra ameaça externa. (…)”

Na sequência deste discurso a agência Lusa publicou uma notícia com o título «Ministro da Defesa acusa comentadores de serem tão perigosos como qualquer ameaça externa», após o que o Ministério da Defesa Nacional emitiu uma Nota queixando-se da agência, na qual afirma ser «totalmente falso que o Ministro da Defesa Nacional tenha proferido tal afirmação».

Consultando os títulos das notícias sobre o discurso do ministro (ver no final deste post), verifica-se que a generalidade captou e destacou essa parte do discurso. Como sempre acontece, os títulos são quase todos simplificadores embora as peças a que respeitam correspondam ao que foi dito. Políticos experientes como é o caso do ministro Aguiar Branco não desconhecem que discursos ambíguos, populistas  e generalizadores são susceptíveis de interpretações igualmente populistas/sensacionalistas e generalizadoras.

Ao referir-se em abstracto a “comentadores de fato cinzento e gravata azul” o ministro tinha de saber que, fatalmente, o sound bite que criou, certamente para produzir determinados efeitos e atingir determinados “comentadores”, seria reproduzido e poderia mesmo…fazer ricochete.

Foi isso que aconteceu. Não tem de se queixar…as palavras são elas e o seu contexto.

Eis as versões digitais das notícias  sobre o discurso:

Dia do Exército. Ministério da Defesa pede apreciação da ERC 

i Informação – ‎há 6 horas‎
O Ministério da Defesa Nacional (MDN) anunciou no domingo que vai solicitar à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) a apreciação de uma notícia da Lusa sobre o discurso de José Pedro Aguiar-Branco no Dia do Exército. Em causa está 

Aguiar Branco: Comentadores são tão perigosos como uma 

TSF Online – ‎há 17 horas‎
«Este adversário é tão corrosivo, tão arriscado e tão perigoso para a Segurança nacional como qualquer outra ameaça externa», afirmou José Pedro Aguiar-Branco depois de acusar os «comentadores de fato cinzento e gravata azul» de fazerem «o 

Aguiar-Branco: comentadores são tão perigosos como qualquer 

Público.pt – ‎há 21 horas‎
Um discurso com alvos bem definidos: os “comentadores de fato cinzento e gravata azul” que acham as Forças Armadas desnecessárias e os militares que conspiram e discutem política nos salões dos hotéis. Esta a tónica do ministro da Defesa, 

«Quem defende que as Forças Armadas são inúteis é perigoso 

A Bola – ‎28/10/2012‎
O ministro da Defesa, criticou hoje quem questiona a utilidade das Forças Armadas, durante as cerimónias do Dia do Exército, nas Caldas da Rainha. Para José Pedro Aguiar-Branco «essas pessoas são tão perigosas como qualquer ameaça externa».

Aguiar Branco: comentadores são tão perigosos como uma ameaça 

TVI24 – ‎28/10/2012‎
O ministro da Defesa acusa os comentadores «de fato cinzento e gravata azul» de serem o maior adversário das Forças Armadas e tão perigosos para a defesa nacional como qualquer outra ameaça externa. «Este adversário é tão corrosivo, tão arriscado e 

Maior adversário é quem diz que FA “não são necessárias”

Diário de Notícias – Lisboa – ‎28/10/2012‎
O ministro de Defesa insurgiu-se este domingo contra quem advoga a “inutilidade das Forças Armadas”, pois é um adversário “tão corrosivo, tão arriscado e tão perigoso para a segurança nacional como qualquer outra ameaça externa”. “O combate a este 
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Governo, Imprensa, Jornalismo, Política. ligação permanente.

2 respostas a O sound bite do ministro da Defesa fez ricochete

  1. Paulo Silveira diz:

    É a tendência totalitária dos acossados a vir ao de cima!

  2. Vicente Silva diz:

    Simplesmente anedótico!…E o pedido de apreciação à ERC pelo Ministério da Defesa Nacional, do qual é responsável máximo, não faz lembrar um outro filme já visto num passado recente?
    Aguiar Branco deve estar com saudades da sua meninice e dos soldadinhos de chumbo com que brincava sem que eles dicutissem as suas estratégias de defesa e ataque, ou serão apenas sonhos de um regresso ao passado?
    E os “comentadores de fato cinzento e gravata azul”que se cuidem pois que, com essa indumentária, arriscam-se a ser considerados como perigosos sabotadores e uma ameaça à segurança nacional.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.