O dia não correu mal de todo ao governo

A greve geral foi um sucesso, disse a CGTP. Os números parecem confirmá-lo mas a análise desta greve e do que se passou neste dia não se esgota no sucesso da greve.

Aconteceu  que apesar da sua força organizativa e do esforço e dedicação dos seus líderes, a CGTP não conseguiu enquadrar os manifestantes que em  S. Bento esperaram pelo fim do discurso e da retirada do líder para iniciarem um protesto violento.

Não se sabe exactamente quem eram os encapuçados que nas primeiras filas atiravam pedras e pedregulhos” aos polícias que faziam barreira na escadaria do Parlamento. Os repórteres das televisões pareciam impressionados e falavam de “apedrejamento contínuo da polícia”, “Intifada”, “provocação à polícia” e diziam que ” a polícia aguentou duas horas”…  deixando perceber aprovação e até simpatia pela “calma” e  “paciência” dos agentes  perante o arremesso crescente de pedras. A repórter da TVI, agachada atrás de um automóvel, dizia (em jeito de agradecimento) “estamos a ser protegidos pela polícia”.

Foi assim até a polícia, depois de ter avisado, diziam, correr sobre os manifestantes à bastonada, enquanto estes fugiam espavoridos pelas ruas laterais  incendiando tudo o que podiam.

“Todo o país viu o que aconteceu”, disse o ministro Miguel Macedo, depois de elogiar  o trabalho da polícia e de fazer a separação entre “os desordeiros” e a manifestação da CGTP.

Esta frase do ministro  tem um sub-texto: desde logo, que as imagens do apedrejamento da polícia frente ao Parlamento vistas por todo o país (agradecimento implícito aos directos das televisões) dispensam comentários e só podem merecer a reprovação dos cidadãos; depois, que o governo  teme menos as manifestações da CGTP (enquadradas pelo “sistema”) do que manifestações “de  profissionais da desordem e da provocação” (como os que estavam em S.Bento).

Se juntarmos a isto  o facto de muitas pessoas durante o dia se terem manifestado contra a greve nos fóruns de antena aberta das rádios e das televisões, e nas redes sociais,  podemos dizer que o dia não correu mal de todo ao governo.

E, no entanto, soube-se hoje que  o défice está a derrapar, que a situação das contas públicas terá continuado a agravar-se, que a receita fiscal está a cair, o desemprego a aumentar…Mas tudo isto foi abafado pelas notícias da greve e principalmente pelas imagens das pedras em S. Bento.

Talvez os sindicalistas, os sociólogos e os políticos devessem reflectir sobre a aparente  contradição entre, por um lado,  a manifesta rejeição deste governo por parte da grande maioria dos cidadãos e, por outro, a recusa ou a dificuldade de muitos deles aderirem a uma greve geral (nunca saberemos quantos não trabalharam porque não tinham meios de transporte) e a outras formas tradicionais de protesto, como se viu através do escasso número de pessoas que se juntaram para protestar contra a chanceler Ângela Merkel.

Há aqui matéria para repensar o que tínhamos antes por adquirido.

Esta entrada foi publicada em Assembleia da República, Governo, imagens, Jornalismo, Política, Sociedade, Sociologia dos Média, Televisão com as etiquetas . ligação permanente.

Uma resposta a O dia não correu mal de todo ao governo

  1. Pingback: Vemos e lemos mas não sabemos | VAI E VEM

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.