Afinal a “refundação” era uma questão de mau inglês técnico do PM

Está descoberto o enigma da  “refundação” do Estado anunciada há tempos pelo primeiro-ministro. Lendo o “estudo” do FMI, percebe-se que afinal foi uma questão de falha no “inglês técnico” de Passos Coelho.  Nas suas conversas com a troika deve ter ouvido o termo “rethinking” e traduziu-o por “refundação”.

A conclusão resulta de uma frase do  documento do FMI, na qual a palavra “refundação” surge, excepcionalmente, em português  junto da  palavra “rethinking”: The rethinking (refundação) that has been announced is...” (ponto 22). O FMI sentiu necessidade de lhe associar a palavra usada pelo primeiro-ministro porque ela não é a tradução literal e corrente da palavra inglesa.

Nesta outra frase em que a palavra surge “(…) for a broader rethinking of the role of the state”, (ponto 22) percebe-se melhor que o sentido da palavra só pode ser “repensar” (o papel do estado) e não “refundar” o papel do Estado.  “Rethinking” não corresponde nem literalmente nem no contexto do documento nem em qualquer discurso coerente  à ideia de “refundação”. Não se “refunda” o papel do Estado mas “repensa-se” o papel do Estado.

Talvez fosse bom o primeiro-ministro cuidar do seu inglês técnico para perceber bem o que lhe dizem em inglês e não arranjar confusões…

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Governo com as etiquetas . ligação permanente.

5 respostas a Afinal a “refundação” era uma questão de mau inglês técnico do PM

  1. Oopst…quem é esse, André?

  2. André diz:

    O que eu não tenho mesmo saudades é do Português carroceiro do “economista” aldrabão licenciado aos 37 anos de idade na universidade do PSD.

  3. Cândido, não há nenhuma criatividade no meu post. Há uma premissa e uma conclusão!

  4. rethinking é, literalmente, repensar. O problema é que em português não dá para substantivar – repensamento – porque fica um neologismo estranho (não mais estranho do que verbalizar um substantivo, como em alavancar, mas isso é outra história). Pedindo desculpa pela vulgaridade, atrevo-me a pensar que o correcto é considerar a palavra como uma mistura dos verbos repensar e f…r – daria refundação! Porque esse segundo verbo é o que a troika nos está a fazer, sob o eufemismo de rethink.

  5. Cândido diz:

    Eu entendo que tenha saudades do inglês técnico do “engenheiro”. O seu primeiro parágrafo foi um belo exercício de escrita criativa que depois serve de premissa para tudo o que escreve neste post pateta

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s