Mães homicidas – noticiar ou não?

Há mais uma criança morta pela mãe. Será que os media estão a ajudar?”, é a pergunta que o jornal Público deixa hoje numa  peça sobre a tragédia de uma Mãe que, segundo as notícias, atirou de uma janela o filho de 12 anos, autista, saltando a seguir ela própria, morrendo ambos.

A notícia sucede  a dois casos idênticos ocorridos  num curto espaço de tempo, de uma Mãe que envenenou os dois filhos  e a seguir se suicidou, e  de outra Mãe que incendiou a casa onde se encontravam os dois filhos, fugindo depois. A questão levantada pelo Público consiste em saber se o relato destes casos provoca mimetismo, potenciando outros outros casos.

Não creio que os media pudessem ignorar estes casos, sobretudo a circunstância de se terem sucedido num espaço de tempo curto e de terem em comum mães que matam os filhos. Podemos discutir, isso sim, a soma de pormenores em alguns casos de alguma morbidez, sendo igualmente discutível a exibição de fotografias das crianças vítimas dos actos homicidas da sua própria Mãe. Isso aconteceu com as crianças envenenadas e também com o menino autista que a Mãe atirou pela janela, cujas fotografias foram publicadas, pelo menos no Correio da Manhã e no Diário de Notícias, um gesto gratuito do ponto de vista do interesse público. Neste último caso, também a insistência da  exibição televisiva do local onde caíram os corpos coberto de um lençol branco com sangue é uma decisão editorial reprovável porque nada acrescenta à notícia, destinando-se apenas a provocar emoção.

A mediatização destes casos pode e deve ser enquadrada do ponto de vista social e da saúde mental, como faz o Público hoje e fez o jornal i no caso das duas crianças envenenadas pela Mãe. Ouvir especialistas, analisar os possíveis efeitos de uma excessiva mediatização destes casos são opções jornalísticamente adequadas e de inegável interesse público.

A questão dos efeitos dos media tem sido largamente debatida nos estudos jornalísticos.   O caso paradigmático são as imagens televisivas dos incêndios florestais cujos efeitos  estão estudados como provocando nos incendiários efeitos miméticos.

É inegável que o jornalismo corrigiu excessos praticados  noutros casos que ficaram tristemente célebres, como a queda do ponte de Entre-os-Rios, para recordar apenas um dos mais mediáticos. Mas há ainda um caminho a percorrer sobretudo na exposição das vítimas, num tempo em que as imagens vídeo já não são exclusivo das televisões, sendo também exibidas pelas edições electrónicas dos jornais e pelas redes sociais.

Mesmo na morte, crianças e adultos têm direito à protecção da imagem e ao respeito pela dignidade do ser humano.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Jornalismo, Mãe, Sociedade, Sociologia dos Média. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s