Deixem-nos em paz, queremos vê-los de costas, vão com o vento!

sétima avaliação SICA conferência de imprensa do ministro das Finanças e as posições oficiais que se seguiram – o comunicado da troika e da Comissão Europeia, pela voz de Durão Barroso representam uma forma  institucionalizada de hipocrisia, elevada ao mais alto nível.

Diz o comunicado da troika que “a recessão é mais profunda do que o esperado”; que as projeções apontam uma “quebra da atividade económica de 2,3% em 2013”; que “esta redução da atividade se vai refletir num  aumento do desemprego, que pode atingir um máximo superior a 18%”;  que as perspetivas de crescimento mais fracas exigem um ajustamento da trajetória”; que o “défice nominal será mais elevado”. 

Em hipócrita consonância com a troika, o presidente da Comissão, Durão Barroso, veio afirmar que o programa da troika em Portugal está a ser “executado correctamente” e que  “os planos de ajustamento na União Europeia funcionam”, mostrando-se confiante nos resultados positivos da implementação das medidas que acompanham o resgate financeiro do país.” No mesmo sentido, o comissário  Olli Rehn adiantou que “os investidores mostram confiança nas perspetivas de crescimento de Portugal, “para um regresso duradouro ao financiamento total nos mercados” ainda este ano”.

Todos os indicadores são arrasadores para a troika e para governo português, seu fiel seguidor. Mas que importa isso? É preciso repetir a mentira de que Portugal  continua  no “bom caminho” e que o programa é “um sucesso”. Falam para eles próprios porque estão em auto-avaliação. É preciso que quem manda neles os ouça repetir a mentira até que, à força de tanto ser dita, ela se transforme em verdade.

Não admira o embaraço do PSD, com Miguel Frasquilho a fazer uma declaração patética de que a “derrapagem é culpa do memorando original”, como se o PSD não estivesse enterrado até ao pescoço na sua elaboração e assinatura, com Passos, Catroga e Moedas gabando-se, aliás, de ele corresponder ao seu próprio programa.

Não menos patética foi a reacção do CDS pela voz de João Almeida,  falando de “esquizofrenia totalmente insuportável” entre dirigentes políticos da troika e os técnicos que negoceiam com Portugal. Sem coragem para cortar com as mentiras de Passos, Gaspar e a troika, o CDS faz o seu haraquiri.

E que dizer do Presidente Cavaco? saído do seu retiro, veio à rua, foi vaiado e, violando a teoria “prefacial” do silêncio,  atirou-se às “instituições europeias”, lamentando que “a Europa só agora tenha percebido o que ele tem vindo a defender há muitos meses.” Lá vai ter que actualizar o Prefácio…

Pobre povo, entregue a  hipócritas incompetentes, incapazes de assumir que erraram em toda a linha. Deixem-nos em paz, queremos vê-los de costas, vão com o vento!

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Governo, Política com as etiquetas . ligação permanente.

2 respostas a Deixem-nos em paz, queremos vê-los de costas, vão com o vento!

  1. rui dias diz:

    estrelaserrano@gmail.com posted: “A conferncia de imprensa do ministro das Finanas e as posies oficiais que seguiram – o comunicado da troika e da Comisso Europeia, pela voz de Duro Barroso representam uma forma institucionalizada de hipocrisia, elevada ao mais alto nvel.

    Diz o”

  2. zeca diz:

    Canalha esta.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s