Um discurso lamentável

RG 25 AbrilO Presidente escolheu  o dia 25 de Abril para fazer um discurso divisionista, sectário e anti-democrático. Esperava-se que se mostrasse sensível ao sofrimento dos portugueses e dissesse que em democracia há sempre alternativas. Mas não. Fez o contrário. Defendeu o “seu” governo, fechando a porta a qualquer hipótese de consenso com  aqueles partidos e pessoas que pensam que é possível governar de maneira diferente.

A quem se dirige o Presidente com estas palavras? “É essencial que, de uma vez por todas, se compreenda que a conflitualidade permanente e a ausência de consensos irão penalizar os próprios agentes políticos mas, acima de tudo, irão afetar gravemente o interesse nacional, agravando a situação dos que não têm emprego ou dos que foram lesados nos seus rendimentos, e comprometendo, por muitos e muitos anos, o futuro das novas gerações.”

Será que o Presidente não reparou que o governo anda há dois anos a fomentar um clima de  “conflitualidade permanente” e que só agora quer consenso com o PS?

“É indiscutível que se instalou na sociedade portuguesa uma «fadiga de austeridade», (…) Mas, do mesmo modo que não se pode negar o facto de os Portugueses estarem cansados de austeridade, não se deve explorar politicamente a ansiedade e a inquietação dos nossos concidadãos.”

Quem é que o Presidente está a querer atingir com esta frase? Será  o PS e os outros partidos da esquerda parlamentar”? Não é o governo que explora “a ansiedade e a inquietação” dos portugueses, incutindo-lhes medo e angústia, mandando-os até emigrar porque o País não tem futuro para lhes dar?

E, como se não bastasse, é na frase seguinte que o Presidente revela a sua falta de cultura democrática, desvalorizando a capacidade de os portugueses, através do voto livre, escolherem outro  governo e outras políticas:

“(…) quaisquer que sejam os partidos que se encontrem no Governo, o País, depois de encerrado o atual ciclo do programa de ajustamento, adotará políticas compatíveis com as regras fixadas no Tratado Orçamental que Portugal subscreveu.”

Foi um discurso indigno do 25 de Abril. Um discurso lamentável!

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Assembleia da República, Presidente da República, Sociedade com as etiquetas . ligação permanente.

12 respostas a Um discurso lamentável

  1. Pingback: A nódoa política da democracia | A Ovelha Perdida

  2. Pingback: Gaspar não quer que o confundam com os políticos eleitos | VAI E VEM

  3. eduardo pratas diz:

    não esquecer!. o sr silva,que eu não ligo cavaco,no tempo das vacas gordas em que eles recebiam aos milhares de milhões da CEE ,adjudicou uma obra a uma empresa de um familiar,que nunca na sua existência tinha construindo o quer que fôçe,destituindo uma empresa conceituada na construção de estradas em portugal e no mundo e assim arrecadaram largos milhões de euros,deixando para nós um legado que conhecemos por IP5 “estrada mais perigosa da europa”.máis tarde tirando do bolso dos contribuintes,foi reparada,fora as derrapagens orsamentáis que viraram moda . como primeiro ministro foi um desastre,lembro o caso BPN,o saco fundo que foi a banca,os milhões gastos nas PME,s muito pouco claros,e o seu encerramento quase total por insustentabilidade,a destruição de terrenos agriculas para campos de golfe,o abandono prepositado de terras,para caça privada,o encerramento do legado deixado por o sr.ALFREDO DA SILVA ,fabricas,estaleiros navais,cuf,petro-quimica etc,etc,etc ficamos com o que a europa não quer nem por perto ,as celulosas e os eucaliptos!!! Podia ficar aqui horas a escrever das gestões danosas,ruinosas dos consecutivos governos após 25 de Abril,mas tenho um sonho!!! ver renascer das cinsas as F.P-25 e dar por terminado este reinado de corrupção contratando ao estrangeiro uma comissão e trazer das contas da suísa e dos paraisos fiscais e offshore’s o que pertence por direito ao estado português!!!!!! fazer uma limpeza séria a éssa gentalha,familiares e seguidores deixando um país para os portuguêses onde não tivéssemos de imigrar.

  4. Levith diz:

    Se não entendem as palavras proferidas pelo presidente, é porque não sabem ler ou escutar. So que, esta completamente cego e surdo a tudo o que o rodeia, defendendo a sua ideia para além da razão, pode em momento algum tecer este tipo de comentários. Esta analise aqui feita carece de , primeiro, uma analise da pessoa de Cavaco Silva, e segundo, de uma analise realista da actual conjuntura.

  5. Joaquim Caetano diz:

    Uma nódoa política na democracia portuguesa. Nunca poderia ter sido Presidente da República!

  6. josé de Almeida diz:

    Angelo Barbosa analiza com clareza e exatidão o que o Silva nos fêz, mas o que revolta é ele estar no “poleiro”, eleito por uma maioria de portugueses. O Povo é uma criança mas a banca, o correio da manhã, o Belmiro, a TVI e outros que se governam com a sua miséria, são adultos.

  7. oretna diz:

    É muito fácil criticar… quando não se sabe fazer melhor!!!

  8. Victor Roque diz:

    O que acima outros opinaram é o suficiente para classificar este cidadão politicamente inculto, mentiroso e chefe de fação. O meu presidente nunca o foi.

  9. O homem é ,já o sa bíamos,um matacão…detestando a criatura que nunca me mereceu um átomo que fosse de consideração,faço-lhe aqui o favor de aceitar que ele nem sabe o que estava a ler.BURRO PARA ALÈM DE QUALQUER DÚVIDA!!!!
    Considero-me sem presidente da república de com dois primeiros ministros…sem saber qual o pior!!!

  10. Vicente Silva diz:

    Do discurso de Cavaco Silva, pois o Presidente da Republica deixou de existir, ressalta como facto mais evidente a sua incapacidade de unir, mas antes e pelo contrário,deu a machadada final nos consensos que vinha solicitando com tanto afã à oposição e em especial ao PS.
    Se era já conhecida a conflitualidade existente não seria com certeza com remoques direccionados num só sentido que o tão desejado consenso viesse a ser concretizado.
    Em síntese,Cavaco ficou preso na rede de malha apertada que ele próprio teceu e da qual dificilmente sairá ileso.Cada um tem o que merece apenas com um senão:os portugueses bem mereciam um Presidente à altura da grave situação em que se encontram.

    .

  11. O Valor do Sr. Presidente!!!
    Tem um valor imenso, diria mesmo, Grande, muito Grande.
    Tudo se começou a desenhar em 1983 e acabou em 1995 e, o valor do Sr. Presidente são uns bons milhares de milhões de €uros muitos, demasiados.
    O inicio das PPPs, entre elas a Ponte Vasco da Gama, que foi um desastre, negócio ruinoso para Portugal. Para além de pagar a Ponte, o POVO Português irá pagar a Ponte duas vezes (pelo menos) e, o dinheiro vai direitinho para o Bolso de Privados.
    O Esbanjamento do dinheiro da Formação Profissional enviado pela então CEE foi um autentico Crime Público, Torres Couto que o diga.
    A Construção de Estradas e Auto-Estradas e as suas derrapagens Orçamentais… dava para tudo, até dava para pagar viagens a comitivas inteiras irem ver uma clube Português jogar a Israel.
    O BPN, obra dele (não é conversa, ele sempre esteve informado) e dos amigos dele, criado e concebido de forma prepositada e, deliberadamente para lavagem de dinheiro e afins, toda a gente sabia em Portugal o que se passava no BPN, Governo, Oposição, ex Governantes, futuros Governantes, Sindicatos, Instituições (várias)…
    É verdade, o Sr. Silva vale muito

  12. Carlos Pinto diz:

    o homem foi sempre um acomodado, sem formação cívica, e zero politicamente, que o 25 de Abril veio perturbar. Ou acham que o tipo só nasceu depois?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s