Portas ou a política como farsa

Portas comenta medidas

A declaração de Paulo Portas é um péssimo contributo para a imagem da política e dos políticos. Seria, por si só, motivo para que o Presidente da República chamasse Passos Coelho e Portas a Belém e os confrontasse com a farsa em que ambos colaboraram, combinando entre si que o primeiro apresentaria ao País um conjunto de medidas, algumas das quais  o segundo dois dias depois viria negar que sejam para valer, gabando-se de ter evitado males ainda maiores.

Mais grave que isso, o primeiro-ministro ao colaborar activamente na farsa desrespeitou  os pensionistas, que o  ouviram anunciar  sem hesitação o “garrote” que lhes seria aplicado, sem saberem que as contas têm uma “folga” preparada para cobrir a sua anulação. O primeiro-ministro desacreditou-se ainda mais e mostrou falta de autoridade e incapacidade para enfrentar  o fundamentalismo de Gaspar e o populismo de Portas.

Portas, por seu turno, mostrou a sua competência na arte da comunicação estratégica e a capacidade de usar a sua posição no Governo para atingir objectivos políticos e eleitorais.

Podem alguns  interrogar-se se os fins justificam os meios, isto é, se o jogo a que Portas e Passos se entregaram justificam as “migalhas” que resultam desse jogo. Talvez Portas tenha conseguido que as medidas anunciadas por Passos se tornem menos gravosas para trabalhadores e pensionistas e isso será positivo. Mas haveria certamente métodos menos ínvios e mais transparentes para conseguir uma negociação séria no seio do Governo em vez  da mistificação a que acabámos de assistir.

Se o Presidente aceitar a farsa em silêncio torna-se também ele um protagonista dessa farsa.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Governo, Política, Sociologia dos Média. ligação permanente.

5 respostas a Portas ou a política como farsa

  1. Pingback: Caíu a máscara ao dançarino Paulo Portas | VAI E VEM

  2. Vicente Silva diz:

    Cenas tristes interpretadas por dois farsantes para uma assistência anestesiada com dose cavalar.
    Mais um capítulo para a estória desta “democracia enviesada” escrito por dois politicóides desenvergonhados.
    A grande questão é: até quando estará este povo disposto a tolerar esta politiquice desmesurada, assente no embuste e na falácia,e a cada momento espoliado da sua dignidade!
    .

  3. LGBrandão diz:

    Admito que possa ter havido combinação entre os dois governantes,mas não posso afirmá-lo!
    Mas a ser verdade…é triste!

  4. Victor Venâncio Jesus diz:

    Tanto sacrifício, para no fim dar em nada! isto é um buraco sem fundo e os corruptos que levaram a isto andam por aí a pavonear-se!

  5. J. Madeira diz:

    O Pilatos de Belém é o autor da farsa! Só com a sua resignação se pode
    inverter o desvario austeritário do des-governo dos estarolas!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s