Governo remodela forma de comunicar

comunicação do governo TVIPela descrição feita por Judite de Sousa, no Jornal das 20, da TVI,  a “nova forma” de comunicação do governo, de briefings diários com os jornalistas, parece  inspirar-se na Casa Branca.

Em tempos deixei aqui  regras idênticas às que foram anunciadas ainda hoje usadas pelos assessores da Casa Branca para comunicarem com os jornalistas. Recupero-as para quem quiser acompanhar o “modelo” agora a introduzir pelo governo de Passos Coelho.  Datam de 1982 e constam de um documento  intitulado “Regras para conversação com os jornalistas ao telefone ou pessoalmente”,  transcrito no livro de  Stephen Hess, The Governement/Press Connection Press Officers and their offices, 1984, The Brooking Institutions. Ei-las:

“on the record” – a fonte pode ser citada pelo nome e função (só para discursos e conferências de imprensa);

“background” – considerada a base mais comum das conversas com os jornalistas (a fonte pode descrever factos e opiniões de um modo mais completo e de uma maneira mais informal do que se se tratasse da categoria anterior). Em teoria, não serão feitas citações directas e as informações deverão ser atribuídas a “fontes oficiais”, “fontes da administração”, “fontes diplomáticas”, ou qualquer outra fórmula estabelecida por acordo entre a fonte e o jornalista;

“Deep background” – Esta regra envolve a obrigação de o jornalista não usar qualquer tipo de atribuição específica naquilo que escreve, devendo o texto ser enquadrado em termos de “é entendido como…” ou “sabe-se que…”. Esta categoria permite à fonte uma grande franqueza mas pressupõe que o jornalista assuma também uma grande responsabilidade no que escreve, na medida em que não existe uma fonte visível para citar. Por seu turno, a fonte deve assumir  a responsabilidade de não confundir ou enganar o jornalista;

“Off the record” – tecnicamente significa que o jornalista não pode usar o que lhe foi dito, a não ser para preparar o seu trabalho futuro relativamente à informação que obteve. Segundo o documento, nada de substantivo deve ser discutido “off record”, pela simples razão de que nada de substantivo deve ser escondido do público.

Com a falta de profissionalismo que o governo tem mostrado nas suas formas de comunicar, veremos no que vai dar o modelo e quem o vai aplicar. Ou muito me engano ou o “desastre” vai ainda ser maior. É que estas regras são para serem aplicadas por profissionais da comunicação para comunicarem conteúdos substantivos. Por cá, nem os comunicadores do governo são profissionais nem os conteúdos são  substantivos.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Governo, Jornalismo, Política, Sociologia dos Média com as etiquetas . ligação permanente.

2 respostas a Governo remodela forma de comunicar

  1. Pingback: Ainda não foi desta… | VAI E VEM

  2. Pingback: Departamento de Entretenimento do Governo português nasce na próxima semana @ semiose.net - notas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s