O insulto como valor-notícia

Mário Soares deu uma entrevista ao Público, este domingo. Como vem sendo seu hábito, Soares criticou o governo e as suas políticas, defendendo a sua demissão. Respondendo a uma pergunta do Público sobre a política europeia deste governo, Soares   citou o Le Monde, afirmando: “a senhora Merkel pôs as culpas todas em cima de Durão Barroso. Ora Durão Barroso tem muitas culpas no cartório, mas só fez o que ela queria. Foi por isso, por fazer o que ela queria, depois aos americanos, depois aos franceses que ele arranjou um sarilho tal que ninguém o toma a sério agora. Veja o editorial do Le Monde de 19 de Junho.” O jornalista acrescenta  à resposta de  Soares a seguinte frase: “Que acusa Barroso de camaleão?”, à qual Soares responde: Isso, o camaleão“.

Logo a seguir, Soares é questionado sobre se “Portugal ganhou alguma coisa em ter Durão Barroso como presidente da Comissão Europeia?”  ao que respondeu: “Não. Foi só desprestigiante para Portugal. Nunca achei que ele podia ser bom. Avisei sempre, escrevi que era um grande erro. Diziam que era português, mas na Europa não há portugueses, nem de qualquer outro país. Há europeus.”

A entrevista de Soares foi comentada esta segunda-feira por José Luís Arnaut, ex-ministro de Durão Barroso, que veio em sua defesa no espaço semanal que detém na Antena 1, acusando Mário Soares de ser “invejoso, mesquinho e rancoroso”, de nunca ter aceite não ter tido um lugar internacional que tem inveja de Durão Barroso e também de Guterres, etc., etc. Pelo meio,  foi dizendo que era uma pena as gerações mais novas ficarem com esta ideia de Mário Soares, agora que “nesta fase final…(aqui hesitou)…só faltou dizer que Soares  devia ser proibido de falar.

Pode considerar-se que tudo isto é natural, vivemos em democracia, cada um diz o que quer e muito bem entende.

A questão não é, porém, essa. A Antena 1 levou a manhã a repetir as declarações de Arnaut, abrindo com elas vários noticiários. Pode compreender-se que os meios de comunicação social queiram “rentabilizar” as declarações dos seus comentadores, sobretudo quando elas se revestem de evidente sensacionalismo embora nada acrescentem, em termos de informação substantiva. É assim com os comentadores mais mediáticos, embora em geral não se insultem uns aos outros mesmo quando se criticam duramente.

Como se constata lendo as declarações de Soares ao Público e as de Arnault à Antena 1, o carácter insultuoso das declarações de Arnaut não tem correspondência nas declarações de Mário Soares que, embora contundentes, não insultaram Barroso, sendo de natureza puramente política  concorde-se ou não com elas.

A  expressão “camaleão” não foi sequer proferida por Mário Soares mas sim pelo jornal Le Monde, limitando-se Soares a repetir essa palavra,  em resposta à citação dos  jornalistas que o entrevistavam.

Se alguém mostrou ser “mesquinho” e rancoroso” foi José Luís Arnaut que aliás, já noutra ocasião respondera a críticas de Mário Soares, chamando-lhe “vaca sagrada”. Ao que consta, Mário Soares não lhe respondeu.

Por último mas não menos importante,  afigura-se  excessivo que o canal público de rádio explore este tipo de “acontecimentos” de maneira tão desadequada à sua real importância. De facto, forçoso é reconhecer que o “valor-notícia” era aqui o insulto.  Ora,  Merkel dizer que Barroso é “camaleão” não tem o mesmo valor noticioso do que Soares dizer que Barroso ” foi desprestigiante para Portugal “ (que foi na realidade o que Soares disse ao Público).

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Jornalismo, Política, Rádio, Sociologia dos Média com as etiquetas , . ligação permanente.

5 respostas a O insulto como valor-notícia

  1. pedro augusto diz:

    Senhor josé, sendo um boy da secção laranjita outra coisa não seria de esperar, diga-nos só uma coisa, sendo um aborto, não lhe causa espécie essa existência de “varredor” ou eterno lambe-botas? Tente trabalhar, bem sabemos que os quadros dos partidos políticos são pobres, mas…isto vai de mal a pior, que diabos ! a secção laranja é mesmo medíocre !

  2. Vicente Silva diz:

    O sr. Arnaut é uma espécie de mosca varejeira que o sr Crespo concebeu “in vitro” e que eu elimino de imediato com uma simples tecla do comando automático da TV.Façam como eu ! Protejam o vosso aparelho auditivo evitando zumbidos e grunhidos.

  3. EGR diz:

    O senhor Dr.Arnaut é um pedante repetente nas ofensas a Mário Soares que a Antena 1 sem pudor da menor espécie repete até a exaustão.
    E chega a ser ridículo que atribua a alguém com percurso de vida cívica e politica como Mário Soares sentimentos de inveja por não ter desempenhado este ou aquele cargo.
    Quanto ao senhor Baeta o seu comentário revela simplesmente ignorância sem deixar de evidenciar o incomodo que certas mentes experimentam quando confrontadas com algumas evidencias.

  4. moimeme diz:

    coitado do asnouh… se tivesse um pingo de vergonha ficava com a cloaca fechada…

  5. José M. Baeta diz:

    Com a mesma certeza de Galileu acerca da rotação da Terra, também eu estou à vontade para dizer: – “Eppure”, o dr. Soares é
    “invejoso, mesquinho e rancoroso, de nunca ter aceite não ter tido um lugar internacional que tem inveja de Durão Barroso e também de Guterres”. Quanto à questão: “Deveria o dr. Soares ser proibido de falar?”, claro que não. Mas era bem escusado que os jornalistas, alguns, quiçá, seus ex-alunos, andassem todos os dias a atazanar o dr. Soares que, estando obviamente debilitado, diz as habituais inanidades que fazem vender papel ou aumentar o “share”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s