O que tem de ser tem muita força

Maria LuísA ministra Maria Luís perdeu, desta vez, a batalha. Mas ainda tem outras pela frente.  Se não tiver cuidado com o gosto que se lhe adivinha para a deturpação da realidade, como provou na Comissão de Inquérito aos swaps e no processo de demissão de Pais Jorge, não vai longe.

O aval que lhe foi conferido pelos amigos europeus de Vítor Gaspar,  aval que em Portugal ninguém se atreve a contestar, não basta para validar a sua capacidade para integrar o governo de um país democrático.

É que à  ministra Maria Luís não se exige apenas que saiba de finanças  e seja “perita em swaps”, como a citou Vítor Gaspar. Há regras e comportamentos éticos que deve conhecer e respeitar. É preciso, por exemplo,  que mostre ser capaz de reconhecer que errou quando errou.

Maria Luís tem uma relação conflituosa com a verdade dos factos, mesmo considerando que a verdade em política pode ser evolutiva (o que é verdade hoje pode não o ser amanhã). Mas no caso de Maria Luís  a  obstinação com que recusou reconhecer que omitiu factos comprovados documentalmente, fugindo à verdade com argumentos laterais e “criativos”, mostra que não olha a meios para atingir os fins.

A defesa cega da manutenção de Pais Jorge manifestando-lhe confiança quando tudo indicava que ele mentira e omitira (como ela) factos documentados, levou-a erradamente a pensar que a protecção que lhe deu seria suficiente para o manter impunemente no lugar.

A  patética carta de demissão de Pais Jorge (na esteia de Gaspar) endeusando a ministra “O facto de uma pessoa excecional, como é a senhora Ministra de Estado e das Finanças, considerar que eu poderia ser útil bastou-me para tomar essa decisão“, é mais uma peça caricata de todo este triste episódio.

Maria Luís não está obviamente preparada para as altas funções que lhe estão atribuídas. Reaje intempestivamente com fugas para a frente ao escrutínio mediático e parlamentar a que obrigatoriamente um governante está sujeito. Falta-lhe sensibilidade para o desempenho de funções políticas. Bastou que o afastamento de Vítor Gaspar a trouxesse para a ribalta para se ver que não possui dimensão de estadista.

Deixar uma pessoa assim ser ministra e, mais ainda, deixá-la escolher os membros da sua equipa ministerial só podia dar no que deu. Numa leitura benigna não direi que quis proteger-se colocando as suas “pedras” nos lugares certos. Mas essa leitura é legítima.

Considerando a fraqueza que caracteriza a liderança de Passos Coelho e a sua insegurança  e inexperiência para dirigir o governo, uma ministra com o perfil de Maria Luís só pode trazer sarilhos ao governo.

Tudo isto é agravado pela desastrosa iniciativa dos briefings do governo, tornados palco de declarações exóticas de quem os dirige, de quem neles comparece e de perguntas dos jornalistas em estilo condizente.   

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Governo, Política, Sociologia dos Média com as etiquetas , . ligação permanente.

4 respostas a O que tem de ser tem muita força

  1. Pingback: A preocupante relação da ministra das Finanças com a verdade | VAI E VEM

  2. Pingback: A relatora produziu um apagão: a ministra nunca existiu | VAI E VEM

  3. Pingback: O que tem de ser tem muita força

  4. Reblogged this on ergo res sunt and commented:
    Do Blog Vai e Vem

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s