O problema dos briefings não é dos briefings mas de Maduro e Lomba

LombaOs briefings do governo continuam a ser notícia, desta vez,  devido ao facto de o ministro Poiares Maduro ter anunciado que vão ser repensados e vai ser encontrado um porta-voz. Como, aliás, “recomendei” aqui.

É um pouco anormal que os briefings se tenham tornado eles próprios notícia e pelos piores motivos.  Parece evidente que o ministro Poiares Maduro e o seu secretário de Estado, Pedro Lomba, são os principais responsáveis pela transformação desse instrumento de comunicação, normal noutros países democráticos, em momentos de chacota nacional. Mas a responsabilidade não é apenas deles.

O debate público que se gerou em torno dos briefings não abona a favor da cultura política e comunicacional das nossas elites. De facto, em matéria de comunicação, incluindo de jornalismo, estamos como no futebol: somos todos especialistas e o que não falta são “treinadores de bancada”.

É, aliás, corrente ouvir comentadores de todas as áreas falarem de cátedra sobre comunicação e jornalismo, sem consciência da sua própria ignorância sobre a matéria. O problema é que também o ministro e o seu secretário de Estado padecem do mesmo vício. Falam e actuam em terreno que não conhecem.

Deve dizer-se que os briefings são instrumentos de comunicação informal, a par de outros como  “pequenos-almoços de trabalho”, e de outros mais  formais como conferências de imprensa, comunicados, entrevistas, etc.,  que entretanto foram ultrapassados pelas novas formas de comunicação proporcionadas pela internet.

A demonização dos briefings feita por alguns, jornalistas incluídos, não tem sentido, uma vez que os jornalistas que frequentam briefings e “pequenos almoços” com políticos, banqueiros, gestores, etc., só se deixam instrumentalizar se se limitarem a transmitir o que lhes é dito sem fazerem o seu próprio trabalho.

O que acontece nos briefings de Maduro e Lomba  é que nem aquilo são briefings nem Lomba está munido da experiência e do saber necessários para organizar e coordenar briefings com os jornalistas. Por várias razões que resumo a seguir.

O briefing justifica-se em duas situações:

a) pontualmente, por exemplo no decorrer de determinados eventos (visitas oficiais de governantes e chefes de Estado ou eventos específicos, acompanhadas por grupos de repórteres, sobre as quais há diariamente informação substantiva); são geralmente realizadas ao fim do dia, em ambiente informal, por vezes em hotéis ou residências oficiais) geralmente é o governante ou o presidente, sempre acompanhado pelo seu assessor de imprensa, que preside a esse tipo de briefings;

b) de rotina, duas ou mais vezes por semana, dirigidos pelo porta-voz do governo ou do  primeiro-ministro e é destinado a jornalistas que acompanham regularmente os assuntos do governo, que conhecem as regras, os protagonistas e os assuntos;

c) o porta-voz não é um membro do governo. É um profissional com conhecimento dos dois campos: político e jornalístico. deve conhecer o funcionamento do governo e sobretudo estar muito próximo do “principal”, seja ele o primeiro-ministro, o ministro ou o presidente. Tem de acompanhar permanentemente os assuntos da governação, saber o que o “principal” pensa sobre os assuntos em discussão, seja perguntando-lhe, seja estudando o seu pensamento e os seus discursos;

d) o porta-voz tem, por outro lado, de conhecer bem o campo jornalístico, antecipar as perguntas dos repórteres, preparar as respostas discutindo-as previamente com o “principal”. Deve conhecer o processo de produção de informação de a a z, perceber as questões da imagem, ser humilde mas seguro, saber dizer que não sabe quando não souber, ser credível, honesto e não desviar um jornalista de uma investigação que ele esteja a fazer apenas porque faz perguntas incómodas para o “principal”;  

e) O porta-voz não pode ser como Pedro Lomba, cujas qualidades intelectuais ou políticas não estão em causa. Mas ao que se viu, não tem perfil para a função. Não só não conhece suficientemente bem os assuntos em discussão (como se viu com Pais Jorge) como não é especialista em comunicação institucional ou jornalística;

d)  há ainda que definir o papel do ministro Poiares Maduro em matéria da comunicação do governo. Se ele é o porta-voz (o que se me afigura errado) então ao menos que arranje um bom assessor de imprensa que lhe faça media-training. Mas se Poiares Maduro pretende ser porta-voz não pode ser ministro de outras pastas, porque a função de porta-voz pressupõe muito trabalho, disponibilidade e acompanhamento permanente dos média (só assim poderá responder, esclarecer, corrigir, antecipar, etc.);

e) finalmente, se Poiares Maduro não é nem vai ser o porta-voz do governo, então é aconselhável que use de maior contenção na exposição aos média (de que parece gostar muito). A tendência que mostra para falar de tudo de maneira superficial  e tentando impôr pontos de vista à maneira dos spin-doctors, descredibiliza-o e às declarações que profere. A não resolver esse problema e caso o governo venha a escolher um porta-voz profissional estará criado um imbróglio entre este e o ministro Maduro, sobre quem fala em nome do governo. O que não seria caso único como mostram experiências estrangeiras (assunto para um futuro post).

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Governo, Imprensa, Jornalismo, Sociologia dos Média com as etiquetas . ligação permanente.

3 respostas a O problema dos briefings não é dos briefings mas de Maduro e Lomba

  1. Pingback: O governo precisa de um porta-voz - Jornal Tornado

  2. Pingback: O governo precisa de um porta-voz | VAI E VEM

  3. Pingback: “Ignorantes” e “preguiçosos”, disse Passos | VAI E VEM

Os comentários estão fechados.