Os comentadores têm poder?

 

 

Eles dizem que nem tanto. Mas os jornalistas dizem que sim, que eles, os comentadores, têm poder.

jornalistas e comentadores JdN sobre o poder

 Uma constatação assim tão clara e assumida como a que é feita pelos directores de jornais e televisões sobre o poder dos comentadores políticos que foram dirigentes partidários e membros de governos, é um dado importante para a análise do sistema político-mediático português.

E é importante porque esse poder que os directores lhes reconhecem (não discuto agora se esse poder é real) é-lhes conferido precisamente por eles, o que, pelo menos do ponto de vista teórico, leva a concluir que os directores consideram normal e positivo contratarem e pagarem a políticos para, no papel de comentadores, influenciarem os governos e, em geral, a vida política do País. Deve contudo ressalvar-se, a este propósito, o caso de José Sócrates, o qual, certamente consciente do poder que o seu comentário televisivo lhe confere preferiu fazer esse comentário de forma gratuita. Reconheça-se-lhe a coerência e a dignidade (por muito que custe aos seus detractores).

Marcelo Rebelo de Sousa percebeu o melindre da questão que lhe foi colocada pelo jornal e preferiu negar o poder e a influência que lhe são reconhecidos pelos directores que falaram ao Jornal de Negócios.

E é também curioso que a “qualidade” mais elogiada a Marques Mendes seja precisamente a de “dar notícias em primeira mão”, função que, convenhamos, compete aos jornalistas.

É óbvio que esta minha prosa é música para os ouvidos dos directores, sobretudo das televisões, pressionados cada vez mais pela necessidade de ganharem quota de mercado, isto é, audiências. E qualquer dos três políticos-comentadores lhes proporciona resultados que valem o dinheiro que recebem (Marcelo e Mendes).

Mas, também do ponto de vista da preservação de uma certa imagem do jornalismo, seria mais natural que os directores ouvidos pelo Jornal de Negócios tivessem, como fez Marcelo, desvalorizado o eventual poder e influência dos seus comentadores optando por gabar-lhes a independência e o desinteresse (político e financeiro) das suas prestações.

Foram, porém, sinceros, o que sendo “moralmente” louvável deixará os mais “puristas” preocupados.

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Jornalismo, Sociologia dos Média, Televisão com as etiquetas , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s