O Expresso é o Expresso. Acredita-se nele porque sim.

EXpresso capa 7 set 013 excertoO Expresso é o Expresso. Com Saraiva, Monteiro ou Costa, escreva o Expresso o que escrever, não deixamos de o ler. O Expresso tem os seus encantos. Por exemplo, é raro encontrar directores de um grupo de média ou da redacção de um jornal, rádio ou televisão em que um deles escreva um artigo de opinião no jornal ou numa rede social e logo outro escreva outro artigo a defender exactamente o contrário. E ninguém tem fontes tão bem colocadas como o Expresso. Essas fontes dão ao Expresso manchetes que só ele tem. No tempo da direcção de Saraiva, lembro-me de alguém ter feito contas aos desmentidos das manchetes, mas nada abalou a confiança do Expresso nas suas fontes.  É certo que essas fontes raramente dão a cara mas isso pouco importa porque o Expresso acredita que a confiança dos seus leitores no que o Expresso diz, dispensa-os de quererem saber quem diz o que o Expresso diz.

Veja-se  a manchete da edição deste sábado: o cheque da troika está dependente do Tribunal Constitucional.  Coisa séria. Repare-se bem: o cheque da troika não depende da capacidade que o governo tiver para cumprir o compromisso assumido com a troika mas sim do Tribunal Constitucional.

Lê-se a peça e tenta-se perceber donde vem tal informação: “Bruxelas”, “um ministro”, a “Comissão Europeia”, o “Governo”, “fonte do Executivo”, são as fontes invocadas. Na ausência de um nome e de um rosto que assuma tão retumbante afirmação resta ao leitor mais exigente ler nas entrelinhas ou fazer as contas às fontes citadas. São três contra duas: duas de Bruxelas e três do governo. Ganha o governo…

A credibilidade de informações totalmente baseadas em conversas em off  entre os jornalistas e as suas fontes (como queria o ministro Maduro para as notícias mais “secretas” dos seus briefings diários) em que as fontes se escondem atrás dos jornalistas, valem o que valer a confiança do leitor no jornal ou no jornalista que assina a peça.

O Expresso é o Expresso. Acredita-se nele porque sim e neste caso nem é necessário ele dizer quem são as fontes da sua manchete, tal a coincidência que revelam com as declarações do primeiro-ministro após o último  chumbo do Tribunal Constitucional.

O problema não é o governo ser a fonte da manchete do Expresso. O problema é o leitor poder pensar que se trata de um facto e não de uma conjectura ou de uma pressão sobre o TC vinda de quem falou ao Expresso ou, em última análise, uma convicção do próprio Expresso.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Imprensa, Jornalismo, Política, Sociologia dos Média. ligação permanente.

7 respostas a O Expresso é o Expresso. Acredita-se nele porque sim.

  1. Pingback: O Expresso é o Expresso. Acredita-se nele porque sim.

  2. Carlos Serra diz:

    Acredita-se nele? É ironia não é? Há muito que deixei de acreditar neles, embora o continuasse a comprar durante anos, porque sim.

    Entretanto, curei-me.

  3. zeca diz:

    A matemática não engana quando utilizada com seriedade. E, o Expresso, também não engana os avisados. Aos outros, engana, e muito.

  4. xico ribeiro diz:

    Lucides de analise. Sempre à frente, dos submissos…!

  5. É o que se chama manipulação da opinião pública. E as pessoas ainda pagam para ser manipuladas, neste caso….

  6. eheheh…Manuel Azevedo:-)

  7. manuel azevedo diz:

    esta estrela,continua cintililante.com este jornalismo de sarjeta,temos que mudar de povo!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s