Jogadas

Acabou o derby Benfica-Sporting. Ganhou o Benfica. Na sala de imprensa os treinadores expõem as suas razões, um para a derrota, outro para a vitória, os repórteres fazem  perguntas e nos estúdios das televisões os comentadores estão prontos para umas horas de debate e análise de cada lance, de cada jogada, da táctica e da estratégia de cada uma das equipas, os bestiais e as bestas são escrutinados  até não haver mais nada para dizer.

Se os políticos explicassem os seus erros e fracassos e as suas “jogadas”  fossem escrutinadas com o pormenor e a frequência com que as dos treinadores e os jogadores o são, talvez hoje as televisões estivessem a questionar o primeiro-ministro  sobre o “sucesso” da ida aos mercado e os comentadores a debaterem a “operação” e todos a quererem saber como é que vamos pagar a dívida com  juros tão elevados e outras coisas assim.

Mas, em vez de análises que ajudem os portugueses a compreenderem porque é que tantos sucessos na ida aos mercados não dão fruto que se veja na vida de cada um de nós, os repórteres foram ouvir os partidos que disseram o costume: os apoiantes do governo acham que foi um sucesso, sempre maior do que o esperado, e os da oposição  que não senhor, que não há nenhuma razão para cantar vitória.

O português mais interessado procura então noutras  fontes alguma opinião ou análise mais estruturada e independente. Encontra algumas mais distanciadas, por exemplo, esta e esta.

Amanhã as coisas continuam como estavam, o governo amealhou uns milhões não sabemos o que vai fazer com eles, se vão  para os credores ou se se destinam às despesas caseiras porque em tempo  de eleições é preciso contentar o povo com umas migalhitas.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Futebol, imagens, Jornalismo, Televisão. ligação permanente.