Trocar a televisão pelo partido?

“Seria bom que os antigos líderes do partido preferissem um debate interno a comentários políticos na televisão”, disse o líder parlamentar do PSD à Antena 1.

Luís Montenegro não ignora que os antigos líderes e dirigentes do seu partido que são comentadores regulares nas televisões, recebem por isso chorudos cachets. Pretender que abdiquem desse palco, auto-confinando-se à condição de uma espécie de “conselheiros” do partido ou simples militantes que vão aos congressos animar as hostes é, no mínimo, ingénuo. De facto, os comentadores-residentes fazem hoje parte de uma nova indústria – a indústria do comentário político – que “emprega” políticos, ex-políticos, jornalistas e poucos mais.

Os media são para eles não apenas um segundo (ou primeiro) modo de vida que, além de  bem remunerado, lhes proporciona um palco permanente para outros voos.

Como é que o líder parlamentar do PSD pretende que Marcelo, Marques Mendes, Pacheco Pereira, Morais Sarmento, Manuela Ferreira Leite, Paulo Rangel, troquem a televisão pelo partido?

Montenegro Antena 1

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Sociologia dos Média, Televisão com as etiquetas , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s