Frustração

Medina Carreira perorava na TVI, com o ar mal disposto que lhe conhecemos,  Judite de Sousa ria às gargalhadas do que ele dizia e o convidado, Alexandre Patrício Gouveia, ria também.

Entretanto eu jantava, com o som do televisor relativamente baixo, quando vejo surgir no écran António José Seguro acabado de sair do encontro com Passos Coelho.

Levantei o som do televisor para ouvir Seguro, mas fiquei frustrada  sem saber ao certo  em que se traduz a   “divergência insanável” que o separa de Passos.

É que, nesta altura do “campeonato” o pessoal precisa de algo que dê substância à diferença. Seguro falou de “crescimento e emprego”,  mas soube a pouco.  Ao fim de três horas  de reunião convinha ouvir de Seguro  qualquer coisa mais palpável, antes que o Marco António nos venha dizer, como costuma, que o PS não apresenta alternativas.

Voltei a baixar o som da televisão, não sem antes ouvir Medina Carreira, com ar enjoado, “cair em cima” de Seguro por não ter dito como fará crescer o país e  dizer a Judite de Sousa  que o melhor que os jornalistas faziam era não ouvir os políticos em tempo eleitoral porque nestas alturas eles não dizem nada que verdadeiramente interesse.

Desisti de saber mais, pode ser que amanhã o Marco António ou alguma fonte anónima venha desvendar o conteúdo da conversa.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Governo com as etiquetas . ligação permanente.

2 respostas a Frustração

  1. maria diz:

    É a prova de que vivemos acima das possibilidades: o ordenado do Medina!

  2. De Tozé Seguro não era de esperar nada de novo. Ele ia bem instruído para não dar a mão a esta corja que agora procura meios de salvação. Durante mais de dois anos andaram a governar — indo “além da Troika — sem darem cavaco a Tozé Seguro. Não era agora, depois de terem destruído o país, que o PS ia assumir o ónus do desvario cometido pelos estarolas.
    Quanto ao Medina Carreira, esse abencerragem das finanças públicas, em lugar de convidar os seus acólitos, devia era levar aos “Olhos nos Olhos”, gente como João Galamba, Pedro Silva Pereira, Vieira da Silva ou Pedro Adão e Silva. Mas para opinar, para darem a sua opinião, não apenas para marcarem presença. A Judite Sousa diverte-se porque quando o convidado começa a dizer verdades, o Medina começa a tossir, a piscar o olho e a bater com a esferográfica no tampo da secretária, reclamando a palavra para poder “recalibrar” a opinião do outro. O Medina anda ali a fazer render o peixe, e o mote semanal reza assim: “nos últimos 15 anos andamos a viver acima das nossas possibilidades, e por isso o país chegou onde chegou: à bancarrota”. O Marreta Medina, no meio da crise, continua a faturar na TVI24, muito acima da média.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s