O professor Marcelo e os banqueiros

O professor Marcelo é um desmancha-prazeres. Andavam os comentadores e jornalistas a elogiarem a “firmeza” do primeiro-ministro em relação à situação do BES  quando disse que “cada um deve pagar pelos seus erros”   e  que o Estado não vai “salvar” o banco,  e eis que o professor Marcelo esta noite, na TVI, veio dizer  que essas palavras não sossegaram os mercados nem os depositantes porque o que o primeiro-ministro deveria ter dito é que o governo não deixará que os depósitos corram riscos, etc. etc. , isto é, segundo o professor, o que interessa é acalmar os abutres, lá fora, e os depositantes do BES, cá dentro.

Mas o professor não se ficou por aqui e criticou também o governador do Banco de Portugal porque já devia ter vindo sossegar os mercados de  viva voz, em vez de fazer comunicados. E devia também, segundo o professor, explicar  que o GES e o BES não são a mesma coisa embora parecidos na sonoridade (a diferença é a letrinha inicial, digo eu).

E houve ainda outra crítica do professor ao desastrado ministro da Defesa que quando abre a boca ou entra mosca ou sai asneira (isto sou eu a dizer). Marcelo criticou o ministro Aguiar Branco por ele dizer que  “não há necessidade de ter um alarme especial relativamente ao BES”. O professor, que sabe muito bem o que as palavras querem dizer, explicou que se não há alarme “especial” é porque há alarme “geral” e, portanto, (concluo eu ) mais valia o ministro estar calado.

Mas o professor contou ainda uma história que na altura me levou a escrever este post  (ali havia “gato”!).  Foi o caso de um banqueiro  de um “importante banco” que lhe pediu para ir ao programa explicar a situação do seu banco que na altura não era famosa. O professor aceitou o pedido e entrevistou o tal banqueiro que depois lhe agradeceu porque a situação acalmou. Modestamente, o professor achava que o seu espaço na TV não era assim tão importante mas, pelos vistos, foi. (ainda pensei que desta vez Marcelo tinha ali junto de si o Ricardo Salgado, ou o Ricciardi, ou o governador do BdP. Mas não tinha…  ainda não tinha, mas quem sabe ainda lá vai o Vítor Bento…

E é assim que o BES/GES se tornou um tema da silly season. Lá mais para o outono é capaz de nos cair em cima mas até lá há ainda vai correr muita água debaixo das pontes.

 

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Economia, Política, Sociologia dos Média com as etiquetas . ligação permanente.

3 respostas a O professor Marcelo e os banqueiros

  1. João Figueiredo diz:

    Marcelo, um excelente professor, que enquanto comunicador é um vendedor de banha da cobra, devia ter um cuidado especial ao falar do BES. Talvez se devesse mesmo abster. Ou então, explicar que, relativamente aquele banco, não é parte totalmente desinteressada: afinal, a sua companheira é administradora daquela instituição. Ou já se demitiu?

  2. manuel pereira diz:

    Os criminosos vão para a cadeia,ou não? Oliveira Dias,Ricardo Salgado,Madoff,são ou não da mesma família de pérolas da iniciativa privada? Já agora,quando metemos na cadeia um admnistrador dum Banco nacionalizado?

  3. EGR diz:

    O senhor ministro da Defesa deveria abster-se de fazer qualquer declaração sobre o BES
    Toda a gente no respectivo meio profissional sabe das estreitas ligações que, não sei se subsistem,mas que durante anos existiram ente o seu escritório de advogados e aquele Banco.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s