Foram assim as audições: o que não se sabia não ficou a saber-se

Maria Luís Albuquerque foi ouvida na Comissão Permanente sobre o BESSaíram frustradas as expectativas daqueles que esperavam ter hoje nas audições da ministra das Finanças e do governador do Banco de Portugal  respostas às principais questões que têm sido colocadas no caso BES. Essas questões não são, a meu ver, saber que alternativas tem a oposição, nomeadamente o PS, para resolver o problema, como a maioria repetidamente afirmou, numa tentativa, aliás conseguida, de enviezar o debate.

De facto, não seria com o BES reduzido a lixo  e depois de o governo e o BdP  terem decidido  resgatá-lo e parti-lo ao meio em “banco bom” e “banco mau” que a oposição iria apresentar alternativas. O que o governo e o BdP tinham e têm que explicar é porque razão iludiram os sinais que conheciam e mesmo perante o desastre iminente demoraram tanto tempo a tomarem a decisão de resgatar o BES. Para além disso, deveriam explicar todos os  procedimentos adoptados e se os mesmos são ética e juridicamente correctos.

Acontece, porém, que o spin do governo e da maioria para focarem a discussão nas falta de alternativas da oposição, fez o seu caminho.  E assim as audições da ministra e do governador acabaram por servir afinal para mostrar que a oposição não tem alternativa à decisão tomada pela dupla BdP/governo.

Pouco importa que o governo tenha escondido um decreto-lei, omitindo-o do comunicado final em violação do regulamento do Conselho de Ministro onde o mesmo foi aprovado. Foi preciso Pedro Silva Pereira  divulgar o caso  na SIC Notícias para que o mesmo fosse conhecido. Alguns deputados bem questionaram a ministra e o governador mas ela fugiu completamente à questão, não assumindo a omissão (para não lhe chamar ilegalidade) e o governador disse que não era consigo.

Pouco importa também que  continue sem se saber quem teve acesso a informação privilegiada e quem libertou essa informação que viria a precipitar o descalabro das acções do BES, na sexta-feira passada. E também não se ficou a perceber porque razão a CMVM não foi avisada de que o BES ia ser resgatado.

Resta a consolação de os debates organizados pelas televisões envolvendo economistas, académicos  e juristas serem  mais esclarecedores do que as audições parlamentares da ministra das Finanças e do governador do Banco de Portugal. A democracia mediática é  mais eficaz que a democracia parlamentar.

 

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Assembleia da República, Comunicação e Política, Economia, Governo com as etiquetas . ligação permanente.

3 respostas a Foram assim as audições: o que não se sabia não ficou a saber-se

  1. Pingback: Mário Centeno: aquele seu ar infeliz não é defeito, é feitio… | VAI E VEM

  2. Pingback: Em Maria Luís o descaramento não tem limites | VAI E VEM

  3. Pingback: A preocupante relação da ministra das Finanças com a verdade | VAI E VEM

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s