O lado oculto do Face Oculta

O Expresso Diário recorda hoje alguns aspectos do processo Face Oculta que esta sexta-feira chega ao fim com a leitura da sentença aplicada a Armando Vara, José Penedos e a mais 32 réus, entre os quais o empresário da sucata, Manuel Godinho. A acusação envolve corrupção, tráfico de influências, associação criminosa e participação económica em negócio,

O Face Oculta foi conhecido em Outubro de 2009, através de uma fuga de informação para a RTP que dava conta da realização de cerca de 30 buscas em postos de trabalho e residências, de Norte a Sul do país, entre as quais a REN, REFER, EDP e GALP.

O processo conheceu uma extrema mediatização com  publicação de 354 peças noticiosas só nos principais telejornais (20h00) na RTP1, SIC e TVI, entre 28 de Outubro e 31 de Dezembro.

2009 Telejornal (RTP1) Jornal da Noite (SIC) Jornal Nacional/Jornal das 8 (TVI)  Total de peças
Outubro 17 13 15 45
Novembro 87 100 72 259
Dezembro 19 14 17 50
  123 127 104 354

Armando Vara, que veio a ser acusado de tráfico de influências, foi o protagonista mencionado em maior número de peças nos três canais, seguido de José Sócrates (que não era arguido no processo) e só depois Manuel Godinho, o principal acusado.

As escutas telefónicas  são o tema mais presente nas peças televisivas nesse período, com transcrição e divulgação do conteúdo em 25% dessas peças. Em 75,7% das peças dos 3 canais não há menção de fonte.

Os dados citados (em desenvolvimento) têm origem num projecto de investigação, financiado pela FCT, sobre a cobertura jornalística da corrupção política numa perspectiva comparada  – Portugal, Brasil, Moçambique – em curso no CIMJ, envolvendo casos ocorridos nestes países.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Jornalismo, Justiça, Política, Sociedade, Sociologia dos Média, Televisão com as etiquetas . ligação permanente.

3 respostas a O lado oculto do Face Oculta

  1. manuel pereira diz:

    Muito mais cego que o cego é quem não quer ver… Coio de vendidos!!!

  2. Onde se lê 127 anos deverá ler-se 17 anos.

  3. Godinho o sucateiro levantou resíduos a preços baixos e que nunca poderiam ter preços altos e deu alguns presentes a responsáveis. Levou 17 anos de prisão efetiva. O maior criminoso da história de Portugal, o Vitor Jorge, ex-funcionário da CGD que matou a filha e o namorado, a sua própria mulher e mais quatro jovens na Praia do Osso da Baleia em 1987 levou 14 anos de prisão efetiva e vive em Nice de onde já ameaçou de morte uma sobrinha que vive em Paris.
    Resíduos de sucata quase sem valor: 127 anos. Sete jovens assassinados: 14 anos.
    Marcelo Rebelo de Sousa disse hoje que considera as sentenças exageradas que os juízes tendem a criminalizar mais os crimes contra o património que contra as pessoas
    Para mim, a vida humana não tem preço, e matar sete jovens é milhões de vezes pior que qualquer pequena corrupção acerca de sucatas,
    A grande corrupção dos submarinos que levou à condenação de um administrador alemão da Ferrostahl não teve impacto na Justiça Portuguesa, quando se trataram de 30 milhões de euros e de um atentado à soberania de Portugal porque não vieram nos submarinos os sonares de longo alcance para permitir sonegar aquela verba ao Estado Português, reduzindo a eficácia dos submarinos em causa na defesa da Pátria.
    Mas, o Varas tinha um cartão do PS e, talvez, o Penedos também, mas ao certo ninguém sabe, e por isso os juízes de Aveiro vingaram-se dos dois meses de férias que o Sócrates lhes tirou, deixando-lhes apenas com um mês como toda a gente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s