O sexo e os juízes

sexo aos 50 2A Associação de Mulheres Juristas criticou o  Supremo Tribunal Administrativo que reduziu indemnização por erro médico a mulher por a sexualidades aos 50 anos “não ter a importância” que tem noutras idades.

Segundo a notícia do Público “um dos argumentos dos juízes, eles próprios com idades entre os 56 e os 64 anos, foi precisamente o de que a doente “já tinha 50 anos e dois filhos”, ou seja, uma “idade em que a sexualidade não tem a importância que assume em idades mais jovens, importância essa que vai diminuindo à medida que a idade avança”.

Este caso trouxe-me à memória um outro acórdão proferido em 2007 que tece também considerações, no mínimo pouco jurídicas, sobre sexo e sexualidade. O caso envolvia abuso de um menor de 13 anos e ocorreu em 2007,  tendo sido divulgado pelo jornal 24 Horas

24 horas Artur Costa

Na altura, o caso provocou polémica no meio judicial porque o juiz  veio  a público defender a decisão, já que os juízes estão impedidos, pelo “dever de reserva”, de comentar processos, só podendo fazê-lo em situações restritas mas sempre com autorização prévia do Conselho Superior de Magistratura.

Estes acórdãos  levantam algumas questões relacionadas com  as componentes extra-jurídicas da formação dos agentes da justiça. Independentemente do  modo sensacionalista como muitas vezes são tratados jornalísticamente casos  envolvendo conteúdos de natureza sexual, o que está principalmente em causa em ambos os acórdãos citados é a sua substância, como se o bom-senso, a cultura, o conhecimento da realidade e a experiência de vida de um juiz não contassem no momento de ele decidir sobre aspectos tão íntimos e sensíveis, logo, dificilmente objectiváveis, como sejam a sexualidade de uma criança ou de uma mulher de 50 anos.

As considerações do  Supremo Tribunal Administrativo sobre a  sexualidade das mulheres de 50 anos presta-se a comentários como este. Por outro lado, o Supremo Tribunal Administrativo podia ter ouvido  especialistas que lhe teriam dito que  “uma larga percentagem de mulheres tem uma vida erótica mais satisfatória entre os 50 e os 60 anos do que antes, porque se sente mais liberta de tabus”, e que  “Pode ser infinitamente mais gratificante uma relação erótica bissemanal aos 50 e poucos do que uma frequência diária aos 30”,

O lado positivo deste acórdão é o facto de ter revelado aos  juízes que o assinam que a sexualidade feminina não acaba aos 50.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Jornalismo, Justiça, Sociedade, Sociologia dos Média. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s