A incontinência verbal do ministro

 Será que o ministro dos Negócios Estrangeiros não sabe o que diz? Já se tinha percebido que  sofre de incontinência verbal. Mas desta vez, as suas “revelações” sobre as “raparigas portuguesas no Estado Islâmico que querem regressar”  revestem-se de contornos gravíssimos e absolutamente inadmissíveis, para mais, vindas de um ministro cuja principal característica devia ser, precisamente, a contenção e a diplomacia do gesto e da palavra.

Rui Machete é o contrário disso e sempre que dá entrevistas cria problemas. Foi assim no passado, com as declarações sobre um possível segundo resgate do País e com a entrevista a uma  rádio de Angola em que se referiu a um processo em segredo de justiça. Devia então ter sido substituído por manifesto erro de casting mas  o primeiro-ministro manteve-o, como faz a todos os governantes façam eles o que fizerem. Só saem por vontade própria.

O que disse Rui Machete à Rádio Renancença, que agora diz que não disse? Disse que “No caso português já há dois ou três, sobretudo raparigas, [que militam no grupo terrorista Estado Islâmico] que se deixaram encantar pelo entusiasmo dos noivos ou por um espírito de aventura, que agora estão a querer voltar. Há 12 ou 15 [portugueses no Estado Islâmico], não sabemos exactamente bem, mas é um número muito reduzido.

Depois da “borrada” que fez com estas declarações, o ministro veio dizer que “não deu  qualquer tipo de informação que permita a identificação de cidadãos portugueses que participem neste movimento terrorista”

Será que o ministro não percebe que qualquer terrorista do chamado Estado Islâmico ao saber que há portuguesas alistadas na “seita” que se arrependeram e querem voltar, pode bem acabar com elas? E o ministro não pensou que as identificou pela nacionalidade? Acha que os terroristas a que elas se ligaram  precisam que lhes digam os nomes?

Como se não bastasse, em vez de demitir o ministro, o primeiro-ministro  desvaloriza as suas declarações. Estão bem um para o outro, mas ambos estão muito mal para o País.

 

 

 

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Assembleia da República, Governo, Política, Sociologia dos Média com as etiquetas . ligação permanente.

2 respostas a A incontinência verbal do ministro

  1. Pingback: A incontinência verbal do ministro

  2. J. Madeira diz:

    Assim como não se percebe, como não são demitidos todos os ministros!
    Não há uma única área da governação em que não existam trapalhadas, torna-se
    redundante falar na Educação, da Justiça, da Saúde, da Solidariedade e Trabalho!
    Sem qualquer dúvida este foi o pior governinho que Portugal teve após o 25 Abril mas
    concomitantemente, temos o pior presidente da República desde a implantação da mesma!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s