Juntos ou separados? histórias edificantes do “caso Marquês”

CorreioManha presos na mesma cela

O Ministério da Justiça vai averiguar as circunstâncias em que estão detidos Carlos Santos Silva e João Perna, dois dos presos preventivos da Operação Marquês que a imprensa diz terem sido colocados na mesma cela.”

O Ministério da Justiça “vai averiguar”? Será que é preciso criar algum grupo de trabalho para saber onde estão os detidos? A ministra não pode perguntar à Polícia Judiciária (sob sua tutela) em vez de mandar dizer aos jornais que “vai averiguar”?

O juiz de instrução não os queria juntos?  Ou a PJ só tinha vaga para um e apareceram dois? Ou o juiz queixou-se ao Correio da Manhã porque não tinha a certeza se os detidos estavam mesmo juntos?

Esta notícia fez-me lembrar aquele  sindicalista a discursar no primeiro “Primeiro de Maio” após o 25 de Abril de 1974 que começava cada frase do discurso com  a pergunta “Que raio de governo era aquele….?” antes de expôr as absurdidades  que dos governos de Salazar e Caetano.

A notícia do Correio da Manhã também suscita a pergunta “que raio de governo é este” que anda a reboque de notícias como esta. De facto, se a Justiça já anda um bocado mal vista por causa das fugas ao segredo de justiça e das cumplicidades com jornais e televisões, ver o ministério da Justiça a dizer que vai saber onde é que a Polícia Judiciária colocou os presos preventivos do “caso Marquês”, é de um ridículo atroz!

Como dizia o outro, que raio de  justiça é esta que nem sabe onde tem os presos à sua guarda?

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Governo, Jornalismo, Justiça. ligação permanente.

5 respostas a Juntos ou separados? histórias edificantes do “caso Marquês”

  1. arber diz:

    Em minha opinião, esta estranha “mistura” de arguidos só pode ter sido intencional, e com um único objectivo: tramar Sócrates.
    E como? Gravar as conversas e tentar obter dados que procuram e não conseguem, ou dando-lhes a possibilidade de concertarem depoimentos que, ilibando-os, possam comprometer Sócrates.

  2. J. Madeira diz:

    As coisas não acontecem por mero acaso, hoje já surgiu outra versão sobre
    este assunto, que os detidos estavam na mesma ala mas, em diferentes celas!
    Não esquecer que estamos perante um caso muito complexo, decorrido mais
    de um ano de investigações na operação “Marquês” quando foi dada a ordem
    de detenção aos envolvidos já haviam os tais fortes indícios, só faltavam umas
    informações do banco suiço … que já devem ter chegado!
    Deve pois, estar para muito breve a abertura formal da instrução do processo
    com todas as provas e respectiva acusação mas, se o motorista que não fez
    declarações no primeiro interrogatório naturalmente, após estar detido com o
    virtual dono de dinheiro de que valerá o seu depoiamento? É mesmo complexo!!!

  3. RFC diz:

    Pois, vi-a há pouco. No Expresso online surgiu hoje essa mesma *notícia* segundo a qual uma fonte do ministério da Justiça garantia que ia investigar o premente caso da partilha da cela por um chauffeur que é arguido e por um amigo do seu ex-patrão. Fonte, a mesma: o CM de ontem que Marcelo Rebelo de Sousa, por sonsice e exibição cínica de públicas virtudes, utilizou no seu comentário habitual da TVI mas atribuindo-a a uns… jornais. Ora, e por isso discordo de parte do post, não me parece que o governo PSD/CDS ande a reboque do CM (olha quem!) no file Sócrates. Mais: pode criticar-se a palermice do PS, e eu faço-o, porque, passada a surpresa de uma operação ao estilo de choque e pavor e com o congresso em mãos, teve + que tempo para reagir politicamente às fugas e fuguinhas que o CM nos vai entretendo e fazer regressar o assunto ao campo da Política de gente grande. Questionando, nomeadamente, o súbito desaparecimento da ministra Paula Teixeira da Cruz do espaço público e dizendo, consequentemente, como isso é preocupante para a defesa dos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos portugueses (arguidos incluídos). Sublinho o facto: com um PS às aranhas, o governo PSD/CDS terá mesmo alterado a própria agenda ministerial, o que não é coisa pouca. Porquê, afinal? Interessa conhecer por isso, e do PS mas também dos outros partidos da oposição espera-se que todos construam uma possível resposta, qual o circuito que essa notícia do CM deu entretanto (notícia ou assim que no Expresso se desmente a si própria, aliás). Hipótese, única: alojada no CM, plagiada ontem pela TVI e outros, ela passou primeiro pela lavandaria da Lusa, onde foi alimentada pelo gabinete de Paula Teixeira da Cruz, e surgiu, hoje, no Expresso (e pelos vistos também na RR) como sendo dali proveniente mas baseando-se no script manhoso escutado e/ou rabiscado pelo CM. Se for assim é agir em função disso, e talvez o PS queira combater políticamente com as armas que ainda tem.

  4. cristof9 diz:

    Como comentava o Crato: o problema não é ter licenciados a mais é não saber onde os pusemos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s