O caso BES como metáfora do País

BES 2As audições dos responsáveis do caso BES, estão a trazer ao de cima a questão fundamental colocada por muitos desde início, que é a de saber qual é o objectivo central da Comissão e qual é o fio condutor das audições. E é uma pena que assim seja, já que é justo dizer que a grande maioria dos deputados estudou profundamente a documentação e fez o trabalho de casa. Porém,  qualquer investigação necessita de uma metodologia e de uma coordenação (em vez de um coordenador por cada partido) que oriente as audições de modo a aprofundar um aspecto do problema. Mas o que ouvimos são pontas soltas que cada deputado pega e larga, passando a outra e a outra e assim sucessivamente nas diversas rondas. A conclusão é que vamos conhecendo muitas “árvores” mas perde-se de vista a “floresta”.

A isto acresce o facto de cada partido partir para a investigação com uma estratégia pré-definida, não em termos da investigação em si mesma, o que seria natural e desejável, mas no que se refere a conclusões pré-concebidas. Ora, isso envieza as perguntas e a interpretação das respostas.

Acontece ainda que cada audição é influenciada pelas anteriores e pelo espectáculo mediático proporcionado pela performance de cada depoente. Por outro lado, os jornalistas e comentadores possuem certezas sobre o caso e sobre quem são os culpados e os inocentes: há os que culpam Salgado e defendem Ricciardi ou vice-versa e o mesmo relativamente ao Banco de Portugal e ao governo.

Na ausência de um objectivo e de um enfoque bem definidos e de uma coordenação do inquérito (que não é o “mestre-de-cerimónias” que conta o tempo e dá a palavra aos intervenientes) corre-se o risco de se perder muita da valiosa informação obtida, não apenas sobre o BES mas sobre o próprio funcionamento do sistema financeiro.

A um cidadão não especialista em finanças mas interessado em acompanhar o debate público e os trabalhos parlamentares sobre este caso, mais do que saber se é o primo Ricardo ou o primo José Maria o maior responsável pelo colapso do grupo e do banco (naturalmente que o que mandava mais terá, necessariamente, maior responsabilidade) e uma vez que o caso está em investigação na justiça para averiguação de ilícitos, interessaria, sobretudo, saber duas ou três coisas:

– se era  do interesse do País evitar o colapso do BES e, em caso afirmativo, porque razão essa solução não foi encarada ou, se o foi, porque foi abandonada;

– se não era do interesse do País  salvar o BES, apurar se a Resolução foi  a solução menos gravosa para o País e para os cidadãos.

– Identificar exaustivamente o papel das entidades públicas em cada uma das decisões tomadas ou por tomar, incluindo a supervisão, o poder político e todos os órgãos de soberania.

Finalmente, uma comissão de redacção única (e não apenas um relator) encarregar-se-ia de elaborar conclusões fundamentadas em factos enquadrados documentalmente, identificando as questões para as quais não foram encontradas respostas.

O que está a acontecer é que as audições são muito interessantes como luta de “galos” e guerras de famílias, animadas com o corrupio de cartas e contra-cartas para a Comissão mas a dispersão de temas e de vozes acabam por desfocá-las do essencial.

A maior utilidade desta Comissão reside no que se retira das audições sobre o funcionamento de um grande grupo financeiro, a incapacidade, ou incompetência, dos supervisores, a falta de qualidade das leis produzidas pelos legisladores e a tentativa de desresponsabilização do governo.

O caso BES é, no fundo, uma excelente metáfora do país.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Assembleia da República com as etiquetas . ligação permanente.

2 respostas a O caso BES como metáfora do País

  1. cristof9 diz:

    Quando estava a ouvir as desculpas de espirito santo Salgado a dizer que a culpa do colapso foi deste e daquele porque não lhe emprestaram o mais que merecido dinheiro(duvidoso a quem tinha dado provas de pouca idoneidade) lembrei-me da narrativa socrates e acolitos sobre os PEC´s. Será que há uma “verdade” transparente ao meu entendimento, que tende a culpar os responsáveis directos pelos golpes?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s