O estado de saúde de alguém pertence à sua esfera íntima

gnorreia capa TV sete diasEsta capa e o texto que a sustenta mostram o ponto de degradação a que chegou certa comunicação social (hesito em chamar jornalismo a este tipo de publicações).

Esta capa existe porque quem a publica se julgou no direito de invadir a intimidade de alguém  cuja “fama” decorre da participação num abjecto reality show – Casa dos Segredos, na TVI – que faz do sexo o motor das estórias dos homens e das mulheres que nele participam.

Pensa talvez quem dirige a revista que o facto de o rapaz da capa e os seus companheiros da “Casa”  exibirem voluntariamente a sua intimidade – o banho, a cama, o sexo debaixo do edredão, os sentimentos e as perversões –  autoriza a exploração dessa intimidade, para mais num dos seus núcleos mais sagrados – a saúde ou a doença.

O estado de saúde de alguém pertence à sua esfera íntima, mais restrita que a esfera privada. Mesmo tratando-se de uma figura que exibe publicamente aspectos da sua vida íntima, como é o caso dos participantes no citado programa,  isso não autoriza uma publicação a ir ainda mais longe na devassa e a divulgar uma alegada doença contagiosa, identificando o seu alegado portador.

Mas esta “notícia” (a ser verdadeira) vem também chamar a atenção para a irresponsabilidade de quem produz e emite estes programas sem prevenir os riscos, já não apenas psicológicos ou morais, a que os participantes estão sujeitos, mas também os riscos para a saúde de todos eles, vista a promiscuidade em que vivem e o deboche que está implícito à concepção do programa.

Num momento em que todos se dizem “Charlie”, eis um exemplo de  abuso da liberdade de expressão.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em imagens, Imprensa, Jornalismo, Sociedade, Sociologia dos Média. ligação permanente.

2 respostas a O estado de saúde de alguém pertence à sua esfera íntima

  1. nuno diz:

    como me dizia no contexto da informação: é o mercado. tem-se, portanto, chulice (verdadeiras madames e solicitadoras) e putaria (de macho e fêmea) em horário nobre ocupando espaço físico que podia estar entregue a outros.

  2. Isto sucede porque “panis et circenses” continuam a satisfazer a populaça… E porque a Auto-regulação pura e simplesmente não existe. E sequenciando Kavafiz, já não esperamos os Bárbaros pois os Bárbaros já cá estão.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s