O que é que Passos Coelho tem em comum com o juiz Carlos Alexandre?

Passos eleições

Carlos Alexandre

Ambos tentaram anular a identidade de alguém, omitindo-lhe o nome.

O juiz Carlos Alexandre fez isso com José Sócrates, negando-lhe o nome “Sòcrates” e nomeando-o por José Pinto de Sousa.

Passos Coelho fez isso  com o Syrisa, cujo nome não pronunciou substituindo-o por “o partido que ganhou as eleições”.

O juiz Alexandre negou a Sócrates o nome por que é conhecido para lhe criar um sentimento de ambivalência entre o “José Sócrates” político, ministro e primeiro-ministro, e o  “José Pinto de Sousa”,  o homem a quem ele prendeu. Essa tentativa de despersonalização foi a maneira que o juiz encontrou para  mostrar a si próprio que o José Pinto de Sousa não é o político José Sócrates e, assim sendo, mostrar  que o processo não é político.

O  juiz procedeu a uma desidentificação de José Sócrates para criar nele um fenómeno de “desconhecimento de si”. É uma forma de coacção simbólica de efeito devastador se os visados forem pessoas psíquicamente débeis.

Sabemos agora através da mediatização da prisão de Sócrates que um preso é alguém a quem não é apenas tirada a liberdade. É-lhe também tirado o  “ego”. Há sinais disso nas “botas com forro” negadas a Sócrates e no cachecol do Benfica que ele não podia ter consigo na cela. É que um preso, ainda que sem culpa formada, não tem direito a ter frio nos pés nem a usar um símbolo do seu clube. O José Pinto de Sousa não é ninguém, até o nome perdeu.

Percebemos agora melhor porque é que as prisões são locais de perdição em vez de lugares de correcção e redenção. Perder a personalidade é talvez ainda pior do que perder a liberdade.

Quanto a Passos Coelho e à recusa, por omissão, de dizer o nome “Syriza”  é também uma recusa do outro, uma tentativa de negação de que o Syriza existe e venceu na Grécia.

Passos Coelho como o juiz Alexandre precisam talvez de terapia.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Justiça, Política com as etiquetas . ligação permanente.

13 respostas a O que é que Passos Coelho tem em comum com o juiz Carlos Alexandre?

  1. João Aires Loureiro diz:

    Estrela Serrano desapareceu da comunicação social por ser competente. Os que dominam em Portugal o que preferem são servidores mesmo que sejam abéculas.

  2. Pedro Martins diz:

    Não pare a sua sua febre correctora: aplique-a a cada comentário que aqui se fizer! E sim…a análise é estúpida e típica de quem vê a realidade pelos olhos do preconceito (neste caso: Sócrates=vítima/Passos=canalha)

  3. Antonio Costa diz:

    Joaquim Oliveira:
    Mexer é com “X” e “há na justiça” é do verbo haver!
    Em quatro simples linhas conseguiu revelar ignorância em não atingir a mensagem e, pior ainda, que é um iletrado armado ao espertalhão!

  4. Guilherme Proença diz:

    Não me parece paranóia, é táctica. Paulo Portas, durante anos, nunca falava do PCP — fazia de conta que não existia quando, por exemplo, falava dos partidos com representação parlamentar. Já Harry Potter demora a perceber por que não pode dizer Voldemort: ao início, parece que é apenas medo de lembrar um passado terrível mas, mais tarde, percebe que dizer o nome corresponde a uma invocação do próprio Voldemort, em carne e osso. É esta magia que faz medo. E o medo, em política, tem funcionado.

  5. Olhares distintos e patéticos !

  6. A mesma tentativa de despersonalização está patente na pressa pouco vulgar com que a direcção da prisão divulgou o número do detido e no gáudio odiento com que muitos se servem desse número em vez do nome.

  7. JS diz:

    Gostei do post (inteligente), e da resposta ao Joaquim Oliveira, ainda mais.
    Cpts

  8. Joaquim Oliveira, se não percebe a análise, não é a análise que é “estúpida”! e, já agora, o verbo “mexer” é com “X”.

  9. joaquim oliveira diz:

    Que analise mais estupida na comparação da coisa
    temos de deixar de chamar ao papa francisco, Francisco ,para chamar o argentino
    Aqui temos um socrista a comparar
    Ate que enfim, que ainda a na justiça, quem se mecha !!!!

  10. Ana diz:

    Precisam de mais que isso que sugere mas não vou dizer. My secret wishful thinking!

  11. j.azevedo diz:

    mais um grande poste.estrela serrano é uma grande referencia do jornalismo portugues.não entendo por que não aparece nos jornais.quanto a socrates, subscrevo na integra a sua interpretação,quanto ao desaparecimento do nome socrates.pintos de sousa há muitos,socrates só conheci tres!.muita saúde para si,a bem da democracia e da seriedade.

  12. jezabel diz:

    Enfim… dois complexados. Complexados perigosos porque têm poder. Há, sem dúvida, qualquer coisa de paranóico nestes dois.

  13. Não é talvez. Precisam mesmo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s