Jornalismo Copy & Paste

O jornal i tem vindo a publicar partes de  acórdãos do Tribunal da Relação de Lisboa a que “teve acesso”, sobre os “Vistos Gold”.

Na edição de hoje, o i divulga partes do acórdão  que decidiu manter Maria Antónia Anes, ex-secretária-geral do Ministério da Justiça,  em prisão domiciliária. Os excertos incidem sobre “manipulação” de concursos públicos organizados pela CREsAP, por parte do presidente do IRN, detido preventivamente, e por Maria Antónia Enes, em prisão domiciliária.

Ontem, o i voltava aos “Vistos Gold” com excertos de escutas contidas noutro acórdão, das quais se infere que houve fugas de informação que  levaram arguidos a destruir provas. O ex-presidente do IRN, António Figueiredo, e alguns chineses são os alvos das escutas.

Na passada segunda-feira, o i publicava também excertos de outro  acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa, de resposta a um dos arguidos dos vistos gold, do qual constam também escutas, neste caso, apanhando o próprio presidente do Tribunal da Relação de Lisboa. 

A primeira observação que estas notícias me sugerem  prende-se com a circunstância de estes acórdãos não estarem, presume-se, em segredo de justiça, quando não seria demasiado escandaloso que fossem publicados em dias sucessivos sem qualquer reacção do Tribunal donde emanam. Trata-se, pois, de acórdãos que podem ser consultados por jornalistas, ou apenas pelos jornalistas que se tenham constituído assistentes no processo. Não existirá, pois,  qualquer infracção da parte do jornal ao publicá-los.

A terceira observação, decorre do facto de os elementos divulgados se revestirem de evidente interesse público, visto alguns deles, a serem verdadeiros, prefigurarem graves ilegalidades, como sejam a manipulação de concursos públicos para benefício de detentores de cargos públicos e a falta de isenção atribuída a um juiz, para mais presidente do Tribunal da Relação. Deve porém notar-se que as pessoas envolvidas ainda não foram acusadas, pelo que as deduções contidas nos acórdãos citados pelo jornal i podem vir a ser contestadas pelos arguidos nelas envolvidos.

A quarta e última observação decorre da confusão  que este tipo de peças jornalísticas, publicadas não apenas pelo jornal i mas também por outros, como o Correio da Manhã e o Sol, pode provocar nos leitores menos atentos , que serão levados a pensar que se trata de investigação jornalística que se rege pelas práticas da profissão, desde logo, a confirmação dos factos e o princípio do contraditório.

Ora, não é disso que se trata nestas peças. Elas fazem parte da investigação judicial e policial, cujos métodos não só não são controlados pelos jornalistas como em nada se asssemelham a métodos jornalísticos. Desde logo, o jornalista não faz escutas nem anda à procura de culpados.

Quando o jornalista se limita a transcrever excertos de acórdãos ou de peças processuais está a publicar o que polícias e magistrados investigaram com os seus próprios métodos e para  os seus próprios fins, sem o escrutínio que um jornalista está obrigado a fazer a todas as fontes que lhe fornecem informações. É um jornalismo Copy & Paste.

O jornalismo procura a verdade através de métodos próprios da sua profissão e não com os métodos dos polícias e magistrados, com objectivos de escrutínio dos diversos poderes da sociedade, incluindo o poder judicial. Ao tornar-se eco deste último, o jornalismo torna-se refém desse poder.

Seria bom que os próprios jornalistas não confundissem o seu papel com o papel dos magistrados e dos polícias.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Jornalismo, Justiça, Política com as etiquetas . ligação permanente.

Uma resposta a Jornalismo Copy & Paste

  1. cristof9 diz:

    Ainda bem que não fazem como outros jornalistas, no entanto, que se põem a clamar contra a quebra ao segredo de justiça quando tudo o que se publica consta do acordão. O perigo de por certos “jornalistas” a interpretar é o que vemos diariamente : assuntos apresentados e interpretados com as conclusoes de como devemos pensar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s