Uma boa decisão do novo director de Informação da RTP

Paulo DentinhoPaulo Dentinho, o novo director de Informação da RTP disse ao jornal electrónico Observador que “Os espaços de comentário político, vistos como “tempo de antena”  vão terminar mas isso não significa o fim do debate político na RTP.”

É uma decisão acertada e a questão está bem colocada: “espaços de comentário político  vistos como tempo de antena”. É disso que se trata e não de acabar com espaços de debate. Esses, naturalmente, não podem ser confundidos com “tempo de antena”. Neste momento, apenas Morais Sarmento detém um espaço dessa natureza no canal aberto da televisão pública e em horário nobre, o que torna a situação ainda mais gritante dada a ausência  de pluralismo em período pré-eleitoral.

A RTP pode ter um papel  fundamental na regulação do sector audio-visual, e esta é uma decisão simbólica que pode bem servir de reflexão aos directores das televisões privadas.

O debate político é essencial, incluindo com os actuais detentores de “tempo de antena” na RTP, naTVI e na SIC. Resta saber se eles estariam ou estarão dispostos a participar em espaços de debate, deixando o “conforto” dos espaços de “tempo de antena” sem contraditório que agora detêm.

Porém, tão difícil como eles aceitarem essa mudança será os directores e administradores das televisões privadas prescindirem das audiências que políticos-comentadores como Marcelo Rebelo de Sousa e Marques Mendes, actuando “a solo”, lhes proporcionam.

Seja como for, a decisão de Paulo Dentinho é, pelo menos, um sinal de que o novo director pretende separar as águas e recolocar a RTP no trilho das televisões públicas europeias.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Audiências, Comunicação e Política, Jornalismo, Televisão com as etiquetas , , . ligação permanente.

8 respostas a Uma boa decisão do novo director de Informação da RTP

  1. Pingback: Eleições e comentadores: manda quem pode | VAI E VEM

  2. nuno diz:

    em vez de

    «Por isso cristo69, ao gostar os programas de MM e MRdeS, fá-lo-á com a língua»,

    leia-se

    «Por isso, cristo69, ao gostar os programas de MM e MRdeS, fá-lo-á com a língua».

  3. nuno diz:

    Célia, perca, sim. É forma popular, mas o uso/não uso é mera questão de gosto. Como vermelho/encarnado.

    Ao contrário dos “programas que gostamos”, que na realidade quer dizer os programas que degustamos. Gostar aqui é o pouco usado gostar, na acepção de tomar o gosto, tal como o sinónimo degustar.

    Por isso cristo69, ao gostar os programas de MM e MRdeS, fá-lo-á com a língua, como se fossem um doce ou um vinho.

  4. nuno diz:

    Cristo69 já tem metidas no corpinho e no linguajar as marcas da má programação que consome – em “amaricano”, diz-se junk food televisivo.

    Não se diz “os programas que gostamos”, diz-se “os programas DE que gostamos”.

    É uma espécie de patois vagamente aportuguesado que se fala nos canais lucrativos.

    Melhor que se aprendessem as regências dos verbos. Sempre dava mais lustro ao bestunto e evitava achar-se que tempos de antenas travestidos de comentário são “relevâncias”.

    Finalmente, uma direcção de informação que parece ter jornalistas dentro (não tenho opinião sobre Portugal, confesso, mas sobre os antecessores, Paulos ferreiras e quejandos, deus nos livre, nem jornalismo, nem cabeça, nem sensibilidade, nem bom senso…)

  5. Célia diz:

    Gostamos ?! Perca? Que faz aqui o peixe?
    Que será “gostar programas”?!

    Concordo plenamente com a mensagem deste post, a direita domina os media e sem contraditório. Que a televisão pública contribua para a diversidade dos espaços de debate.

  6. Abraham Chévre au Lait diz:

    Caro cristof9: Cá em casa, percas, só conhecemos as do Nilo. Daí o continuarmos na senda da irrelevancia (sic).

  7. PAlm_a diz:

    Bom senso, finalmente. Agora, se se conseguisse acabar com o Marcelo e o Marques Mendes, que só vendem banha da cobra, a higiene audio-visual agradece. Não percebo como é que alguém consente que existam espaços de comentário político dominados por figuras políticas isoladas, sem debate. Isto dos Marcelos e Mendes “mastigarem” a actualidade para a darem pronta a digerir às massas que não querem perder um pouco do seu tempo a pensar pela própria cabeça é muito perigoso.

  8. cristof9 diz:

    Desde que não nos tirem a possibilidade de ver os programas que gostamos(estilo do Marcelo e MM), não virá mal ao mundo de que a RTP continue na senda da irrelevancia e perca de audiencias.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s