RTP: o governo e o PSD precisam de se entender sobre os salários da administração

RTP logoAinda não é desta que a RTP pode começar a trabalhar com um mínimo de paz. E, mais uma vez, a responsabilidade vem do governo, apasar das profissões de fé do ministro Poiares Maduro de que, agora sim, o governo não interfere na RTP.

Ora, o governo autorizou o presidente da nova administração da RTP a ganhar mais do que o primeiro-ministro, ao contrário do que acontece com a grande maioria dos gestores públicos. Só ele, aliás, o podia fazer, e o Conselho Geral Independente ou qualquer outro órgão interno ou externo à RTP, não têm  poder para isso.

Não se compreende, pois, a reacção escandalizada do dirigente do PSD, Marco António Costa, que, pelos vistos, não foi informado pelo presidente do seu partido e primeiro-ministro da autorização concedida.

Já se sabe que em tempos pré-eleitorais a demagogia anda à solta. Marco António Costa, que noutras ocasiões não manifestou qualquer sinal de apoio à diminuição de salários dos trabalhadores da RTP,  encontrou agora um pretexto para mostrar  “solidariedade” com os sindicatos e com comissão de trabalhadores da empresa  que se manifestaram contra os aumentos dos vencimentos da administração, tentando assim desresponsabilizar o seu partido dessa decisão.

Independentemente da justiça ou injustiça do aumento do salário dos administradores  e do argumento de que é necessário “pagar bem para ter os melhores” na RTP, a verdade é que o novo modelo de “governança”, com um novo órgão a nomear a administração e a supervisionar o seu trabalho não provou ainda, como não podia provar, que é o melhor para resolver os problemas da RTP.

Como repetidamente tenho referido neste blog, os problemas actuais da RTP não são, ao contrário do que afirma o ministro Poiares Maduro, a dependência do governo. São sim, a falta de visão e de estratégia sobre o que é um serviço público audiovisual.

A constante transição de dirigentes – administrações e direcções – entre o sector audiovisual público e privado não permite criar nos trabalhadores da RTP uma consciência da diferença entre o que é o interesse público e o que são os interesses (e os gostos) privados de quem, momentaneamente está nos órgãos de direcção da empresa.

O Governo e o PSD precisam de se entender sobre os salários da administração da RTP. Não podem é aproveitar a empresa para se desresponsabilizarem de decisões tomadas por eles próprios.

 

 

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Governo, Política, Televisão com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s