Isto é assustador!

José Reis, juiz desembargador que votou contra a declaração de especial complexidade do processo Operação Marquês, garante, após analisar todo o processo e o que constava dos autos, que “em momento algum [quando foi detido], o recorrente [José Sócrates] foi confrontado com quaisquer factos ou indícios concretos suscetíveis de integrar o crime de corrupção”.

O juiz do Tribunal da Relação de Lisboa revela que o antigo primeiro-ministro foi apenas confrontado com “interpretações e deduções”. “Afirma-se e está subjacente que tudo é contrapartida (indevida, claro) de ‘atos do governo’, mas não se descreve um único desses atos que permita estabelecer conexão indiciária entre os mesmos e os avultados montantes dados à estampa”, garante José Reis na declaração de voto.

Na opinião do magistrado, a acusação de um crime precedente de branqueamento de capitais apresenta-se “manifestamente incompleto dada a total ausência de descrição de indícios factuais que eventualmente possam integrar o crime de corrupção. Esta é uma realidade nua e crua”, esclarece.

“Não há complexidade alguma em investigar o nada, o vazio”, assume o juiz sobre o mandado de libertação intitulado de complexo.”

Será o juiz José Reis um “perigoso socrático”?

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Justiça com as etiquetas . ligação permanente.

6 respostas a Isto é assustador!

  1. João Pedro Lopes diz:

    Não sei se me fiz entender: acho perfeitamente plausível que alguém empreste a um amigo uma quantia da ordem daquela de que se fala.
    Pareceu-me que me percebeu em sentido contrário.
    Já agora acrescento:
    – Nada na gestão da vida pessoal de Sócrates me fará esquecer que foi o líder do Governo que quis ver neste país (espelunca, parece-me às vezes) um sítio de modernidade e progresso;
    – Mesmo que venha a ser provada corrupção, mantenho a opinião sobre o seu governo.

    E, assim, “tralha socrática” me confesso 😉

    João Pedro Lopes

  2. João Pedro Lopes, cabe à Justiça apresentar factos que provem que o dinheiro é de Sócrates e que a sua origem é criminosa. O resto são considerações de ordem moral que, a serem verdadeiras, podemos reprovar, mas essa não é matéria para a justiça.

  3. J. Madeira diz:

    Apesar do relato do Desembargador José Reis, sobrepuseram-se a
    vontade de duas Desembargadoras porque acabou votando vencido!
    Seria interessante saber em que se baseou a sua tomada de decisão!?!

  4. João Pedro Lopes diz:

    Vejamos: Segundo os montantes que vão sendo “conhecidos”, o empréstimo (não admitido pelo juiz e procurador) andaria entre os 650.000€ e 1.500.000€. Muito dinheiro, “Quem cabritos vende…”, “Tanta amizade a propósito de quê?”, etc.
    Se considerarmos um total de 23.000.000€, que é o montante consistentemente referido na conta do Santos Silva, este emprestou a um amigo de infância cerca de 6,5 % do dinheiro que tinha no banco.
    Tiremos 3 zeros às quantias, para impressionarem menos: tenho 23.000€ e um grande amigo pede-me 1.500. Empresto? Cada um que responda, mas a mim já me fizeram bem melhor.
    Se calhar sou eu que tenho sorte com os amigos…
    Conclusão: não tenho opinião, mas o facto essencial que despoleta a investigação se calhar não é assim tão estranho.

    Cumprimentos

  5. J.-M. Nobre-Correia diz:

    E tudo isto perante a apatia geral dos portugueses e dos altos responsáveis da justiça em Portugal : tristezas ! E grandes motivos de preocupação…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s