O Presidente não quis ou não foi capaz de evitar a confusão entre legislativas e presidenciais

Palacio_Belem_LisboaUm Presidente da República tem de saber olhar o futuro e avaliar, por antecipação, os prós e os contras das decisões que lhe cabem, em vez de ficar a ver o andamento das coisas, como um simples espectador, sem se preocupar com as suas consequências.

A marcação de eleições é uma das importantes funções do Presidente, sobretudo em momentos muito polarizados, agravados ainda pelo reduzido espaço temporal entre duas eleições, como é o caso das próximas eleições legislativas e presidenciais. Assembleia da República foro

O Presidente Cavaco não foi capaz de antecipar a confusão que necessariamente se estabeleceria com a proximidade dessas duas eleições. Bastaria ter analisado campanhas anteriores para perceber que as pré-campanhas começam muito tempo antes dos calendários oficiais e que os partidos e os candidatos menos conhecidos quereriam, logicamente, ganhar visibilidade bastante tempo antes desses calendários.

Não tendo dado ouvidos a quem defendia a antecipação das legislativas de modo a distanciar as duas eleições e a garantir campanhas diferenciadas, para além de permitir ao futuro governo um tempo razoável para a apresentação do orçamento, o Presidente Cavaco criou a confusão a que estamos a assistir, com alguns candidatos presidenciais (à esquerda) a chegarem-e à frente, enquanto outros, à direita, só não o fazem por pressão dos partidos por cujo apoio esperam e de que necessitam.

A situação criada é propícia a tacticismos e golpadas atraindo o interesse dos media precisamente pelo potencial de divisões internas dentro dos partidos que estão a provocar.

O Presidente, que devia ser o principal guardião da credibilidade e da transparência dos actos eleitorais, não foi capaz de perceber e evitar que a corrida à sua sucessão prejudicasse objectivamente a escolha do futuro governo saído das legislativas. Teve vistas curtas.

Resta-nos desejar e que o próximo Presidente possua maior sensibilidade política e horizontes mais vastos. Afinal, a tão falada experiência política de Cavaco Silva de nada lhe serviu.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Política, Presidenciais, Presidente da República, Sociedade com as etiquetas , . ligação permanente.

5 respostas a O Presidente não quis ou não foi capaz de evitar a confusão entre legislativas e presidenciais

  1. EGR diz:

    O Presidente percebeu mas, simplesmente, não quis e sabemos bem as razões que o motivaram.

  2. J. Madeira diz:

    Só não teve vistas curtas para os seus interesses pessoais e familiares!
    Foi o pior presidente da República desde a sua implantação incluindo o Thomaz!

  3. cristof9 diz:

    Aparentemente a experiencia politica de Cavaco, está funcionar muito bem (parto do principio que ele goste que o seu PAF ganhe) .Sem dúvida que a recuperação da diferença de intenções de votos para o tempo do Tóto Seguro tem sido visivel,a medida que as galambices do PS se multiplicam!

  4. Helen/Cascais diz:

    O PIOR Presidente, o mais inadequado, o mais tudo de …

  5. MRocha diz:

    O Presidente, que devia ser o principal guardião da credibilidade e da transparência dos actos eleitorais, não foi capaz de perceber e evitar que a corrida à sua sucessão prejudicasse objectivamente a escolha do futuro governo saído das legislativas. Teve vistas curtas.

    Acha mesmo ?! Eu acho que não. Eu acho que o presidente continua a ser a tal mão atras do arbusto que orquesta com inegavel mestria este baile que a direita nos tem estado a dar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s