Liderança dupla da coligação dificulta afirmação de Passos Coelho

A personalização das campanhas eleitorais na figura do líder era até há poucos anos uma estratégia própria dos regimes presidencialistas, nomeadamente usada nas campanhas presidenciais norte-americanas. A Europa seguiu esse modelo e hoje em dia também as campanhas para eleições legislativas, nas quais não está em causa a eleição de um presidente mas sim de um parlamento,  adoptam a estratégia da personalização na figura dos líderes partidários.

Essa estratégia baseia-se em algumas regras simples: construir uma imagem apelativa do líder; enfatizar as suas características pessoais; criar eventos mediáticos e ocasiões para envolvimento pessoal do líder.

Costa 2015 campanhaTenha ou não feito parte de uma estratégia programada, o certo é que o PS  nas últimas semanas investiu na personalização da campanha na figura do líder, António Costa, e a campanha socialista ganhou novo fôlego sobretudo a partir do debate com Passos Coelho onde Costa foi capaz de transmitir confiança, sensibilidade e proximidade às pessoas e aos seus problemas.

PAFAo contrário, a estratégia escolhida pela coligação, de uma campanha bicéfala (liderada por Passos e Portas) dificulta a personalização  e a identificação dos cidadãos com a imagem de Passos Coelho que é de facto o líder da coligação. Acontece  que Passos é (ou aparenta ser) frio e distante, ao contrário de Portas, mais dotado das características necessárias a uma campanha personalizada: sensibilidade, afectividade, proximidade. Passos tem dificuldade  em “chegar às pessoas” mas sendo ele o líder a presença de Portas funciona como um elemento de comparação que desfavorece Passos em vez de o beneficiar.

Daí que, a meu ver, a estratégia eleitoral da coligação, referida como muito profissional e bem organizada quando comparada com a campanha do PS, em particular a ideia de que Passos Coelho deveria “fazer-se de morto” e envolver-se o menos possível na campanha, seja uma estratégia votada ao fracasso.

As campanhas são hoje muito moldadas à televisão e a personalização das lideranças é parte essencial do “espectáculo televisivo”. Ora,  não há identificação possível dos cidadãos com um líder ausente.

O que podia ser visto pela coligação como uma mais-valia (por exemplo, cobertura jornalística com tempo a dobrar para os dois líderes) resulta numa despersonalização e desidentificação dos eleitores com  o líder da coligação, Passos Coelho. A coligação parece estar agora a emendar o erro. Mas tirar Portas da frente de Passos parece mais difícil.

Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Política, Televisão com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

Uma resposta a Liderança dupla da coligação dificulta afirmação de Passos Coelho

  1. cristof9 diz:

    Até agora a coisa não tem resultado bem para o dão sebastião Costa!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s