Caminho aberto

Foto: NUNO FERREIRA SANTOS

Foto: NUNO FERREIRA SANTOS

A democracia não é um caminho fácil. Faz-se caminhando. Portugal deu hoje um passo no sentido do aperfeiçoamento da democracia. António Costa foi o protagonista principal desse passo ao abrir um caminho que parecia fechado, chamando ao diálogo o parceiro mais difícil, aquele que resistiu durante 40 anos a abandonar a posição em que se tinha enquistado, para muitos, definitivamente.

Refiro-me ao PCP e a Jerónimo de Sousa que com António Costa e o PS fizeram história.

Não sei, nem creio que os próprios saibam, o que resultará e se alguma coisa resultará do diálogo hoje iniciado. Mas sei que o caminho aberto representa uma viragem que a história da nossa democracia registará. Muita coisa separa o PS do PCP, muitas reservas haverá de parte a parte porque o passado por vezes aflora e interpõe-se, complicando o presente. Mas em política não há amores nem desamores, não pode haver ressentimentos nem paixões. Em política o que conta é o interesse do País.

A democracia é o governo do povo. É o regime dos consensos,  da tolerância, da cooperação e do compromisso. Os consensos  requerem compromissos, nem sempre realizáveis, é certo. Cabe aos representantes do povo ultrapassarem os obstáculos e encontrarem as soluções que melhor o servirão.

O PS e o PCP mostraram hoje ao Presidente que ele errou ao passar por cima da escolha dos cidadãos que não o mandataram para excluir do diálogo e da procura de consensos a parte  dos portugueses que votou no PCP e no Bloco de Esquerda.

Esta entrada foi publicada em Política com as etiquetas , , . ligação permanente.

4 respostas a Caminho aberto

  1. carlosalvares diz:

    Reblogged this on Cite de Largo.

  2. MFreitas diz:

    Na mouche cristof9! Quem nao tem nada a perder – ja perdeu votos, um deputado e foi ultrapassado pelo BE – pode até prometer o euromilõoes. Faz parte da estrategia ilusionista de se por em bicos de pés, e tentar algum protagonismo para que os seus parcos eleitores continuem a achar que ganharam alguma coisa nestas eleições. Perderam e vão continuar a perder, enquanto o BE se afIrma como o único partido de esquerda credível, genuíno e coerente em Portugal, quimeras à parte. Bom dia!

  3. cristof9 diz:

    Teoricamente concordo. Mas olhando para as promessas feitas nos programas e afirmações dos dirigentes, presumo que vamos pagar como os gregos, aventuras de alivio da austeridade com forças que só se aguentam , porque nunca precisaram de por as quimeras em prática.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s