As contradições de Passos Coelho

Passos encerra negociaçõesPassos Coelho já nos tinha habituado a discursos desconexos e contraditórios. Hoje exagerou e mostrou mesmo  algum desnorte. Depois de uns dias em que parecia não saber bem onde estava nem o que aconteceu em 4 de Outubro, engrossou a voz e alongou-se nas respostas aos jornalistas que o queriam ouvir sobre as negociações com o PS.

Vejam-se declarações de Passos Coelho proferidas hoje:

“Já tive duas reuniões com o PS e não tenciono ter mais nenhuma para fazer de conta ou simular que se está a alcançar algum resultado. 

Passos não disse, por exemplo, que após a primeira reunião com a coligação o PS lhe enviou  50 perguntas  sobre o cenário macroeconómico actualizado do Governo e o ponto de situação da execução orçamental. que, soube-se hoje, não tiveram resposta ou tiveram meia-resposta.

Continuou Passos:

“Talvez seja altura de “pôr um ponto final naquilo a que o país tem vindo, atónito, a conhecer em praticamente uma semana”

E, logo a seguir, declarou o contrário:

Estou “sempre disponível, aberto, para poder atingir qualquer compromisso”. “Nós dissemos com muita clareza: não tivemos a maioria absoluta no Parlamento e, portanto, não podemos governar só com o nosso programa.”

Mas, arrependido, voltou novamente atrás:

“Não vamos governar com o programa do PS”

Recapitulemos, então: na primeira reunião com o PS a coligação apareceu de mãos vazias sem nada para discutir, dizendo que o PS devia escolher as propostas do seu próprio programa que queria ver acolhidas. Costa não concordou e pediu a Passos que apresentasse propostas concretas dado ter ganho as eleições.

Passos enviou-lhe uns dias depois um documento a que chamou “facilitador” que Costa considerou “insuficiente” e “com lacunas graves“. Face a essa reacção de Costa, Paulo Portas, falando pela coligação, pediu que o PS dissesse o que é que o PS considera “suficiente”. Costa prometeu uma contra-proposta por escrito. Foi então que antes de Costa ter tempo de enviar a contra-proposta, Passos deu as negociações por findas.

Pensámos então que a conversa tinha acabado. Mas eis que, talvez constatando as contradições, a coligação mandou  Marco António Costa e Nuno Melo dizerem que afinal está disponível para prosseguir negociações.

Aguardam-se os próximos capítulos.

Esta entrada foi publicada em Governo, Política com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

2 respostas a As contradições de Passos Coelho

  1. Ele julgava que António Costa caia naquilo que considerei asneira quando das legislativas, dar-lhes a conhecer as suas intenções. Foi baseado nessas informações que os PaF`s fizeram a campanha…..É gente em quem não se pode confiar. Sem lhes dar assuntos a que eles se possam agarrar, vejam a figura que fazem. Andam aos papéis, tentando com provocações que o PS lhes responda e assim lhes dê material para poderem contestar. O problema que têm é não terem ideias próprias. Tenho esperança que em breve desapareçam de cena.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s