Provedor do Público alerta: Faltam as declarações de interesse dos comentadores

comentadores

“(…) como provedor de um meio de comunicação social, o PÚBLICO, mas também cidadão português, o que me faz admiração e certo espanto é a forma fácil, eu quase diria inadvertida, como os media se subjugam à abertura deste novo período de propaganda eleitoral. Agora, não das eleições para a AR, mas para a decisão de quem será governo. Há muito tempo venho pensando que um dia, não obstante todos os seus méritos, a História será muito dura e condenatória para o papel do sistema mediático neste resvalar dos nobres valores constitutivos da democracia. Provavelmente, sem consciência certa, está a tornar-se crítica e até perigosa a cumplicidade dos media com esta depauperação de que todos falam, deste desmoronamento do sistema democrático. E nele está muito implicado o sistema mediático. (…)

Os partidos estão na sua lógica e no seu papel. Mas os media têm outras responsabilidades. Este período de campanha, mediaticamente, está a ser feito, muito especialmente pelos comentadores (jornalistas e não jornalistas). É evidente que ninguém pode exigir (e isso também ofenderia a democracia) aos comentadores que se dispam da ideologia que perfilham, da opinião formada que têm, do partido com que simpatizam ou dos interesses que lhe estão subjacentes. Mas os meios de comunicação que dizem estar ao serviço dos valores da democracia não se podem abster de gerir, com equilíbrio, o pluralismo democrático na constituição dos painéis de comentadores convidados ou encartados ou contratados. Para bem das valências democráticas seria importante fazer um inventário dos milhentos interesses a que estão ligados certos comentadores, desde a bancos e empresas internacionais e nacionais, a consórcios de advogados, etc., etc. A argumentação estapafúrdia e incongruente proclamada aos quatro cantos por alguns e que rasga os limites de uma mínima honestidade intelectual é confrangedora. O à-vontade com que alguns querem impor ao presidente uma solução é absurdo. Em relação aos comentadores estão em falta muitas declarações de interesses. Para que o grande público perceba de onde procedem e ao que vêm. A bem de uma ecologia intelectual mais pura na arena da liberdade de opinião e expressão. “

Paquete de Oliveira, provedor dos leitores do Público, 18/10/2015

Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Imprensa, Jornalismo, Política, Rádio, Sociologia dos Média, Televisão com as etiquetas , . ligação permanente.

4 respostas a Provedor do Público alerta: Faltam as declarações de interesse dos comentadores

  1. cecilia diz:

    Acho que esta a fazer falta um Salazar, para calar o bico a muita desta gente.

  2. Afonso Henrques diz:

    Podia dizer muita coisa; mas não digo.
    Só digo que há alguns dias ouvi uma Sra reformada de 74 anos dizer que já tinha metido o
    televisor na despensa, pois estava farta de lavagens ao cérebro

  3. cristof9 diz:

    Eu penso que democracia fica a ganhar se estes “defensores ” dos tarolos cidadãos , meterem a viola no saco e informem apenas que cada um é responsavel pelo que faz com a informação que recebe; só isso sem se armar em paizinho seja de quem for, mesmo que se julgue muito superior e muito bem informado da “verdade”.

  4. Abraham Chévre au Lait diz:

    Não sobrevalorizem o papel dos “midia”. O que se vê e se apalpa,aliado ao que já conhecemos de gingeira tem uma força tal que,mesmo bombardeados, só nos suscitam gargalhadas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s